1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal ao seu dispor!

apuramentos meteorologicos 28julho a 03agosto (LEGENDA)

Da análise dos apuramentos meteorológicos do período compreendido entre 28 de julho e 03 de agosto (ver quadro), verifica-se que os valores de precipitação continuam extremamente baixos, praticamente nulos, com exceção das Achadas da Cruz, Santana e Santo da Serra. Quanto às temperaturas, verifica-se que continuam altas, próprio da estação, pelo que as regas têm de ser acauteladas e com maior frequência. Quer as regas quer a eventual aplicação de produtos fitofarmacêuticos devem sempre ser efetuadas nas horas de menor calor.

Nas previsões climáticas para a próxima semana (até 13 de agosto), constatam-se poucas alterações relativamente à semana anterior, ou seja, alguma nebulosidade em toda a Região, precipitação pouco significativa e, a acontecer, apenas a norte.

O setor das hortofrutícolas frescos (HFF)

hortofruticolas frescos O aumento das exigências do consumidor e o aparecimento de várias crises ao nível da produção de alimentos, com significativos impactos em termos económicos e na saúde pública, levaram à necessidade de se estabelecerem requisitos mínimos de higiene, diretamente relacionados com a segurança das matérias-primas produzidas e destinadas à alimentação humana em fresco, com especial destaque para os produtos HFF.

Especificamente neste setor, e apesar de se verificar uma cada vez maior tendência para a transformação industrial dos produtos, a maioria chega ao consumidor final praticamente como sai das explorações agrícolas. Assim, torna-se necessário o estabelecimento de um conjunto de princípios higieno-sanitários a aplicar na produção primária deste tipo de produtos, que permitam reduzir, logo no início da cadeia, os riscos de contaminação com agentes químicos, microbiológicos e mesmo físicos.

Entre os fatores de risco que podem levar ao aparecimento de microrganismos ou substâncias indesejadas nos produtos hortofrutícolas, destacam-se:

- higiene ambiental;
- instalações e equipamentos;
- controlo de animais;
- colheita, armazenamento e transporte;
- água;
- limpeza e desinfeção;
- fertilizantes;
- estado de saúde, higiene pessoal e formação;
- produtos fitofarmacêuticos;
- manutenção de registos.

O código de boas práticas de higiene na produção primária de hortofrutícolas frescos (ver site www.dgadr.gov.pt).

O código de boas práticas é um documento destinado à utilização voluntária pelos produtores de HFF, como orientação para a observância dos requisitos de higiene.

Os capítulos deste código estão divididos em “obrigações” e “recomendações”.

As obrigações transcrevem ou enunciam o texto da Lei, isto é, representam o que o agricultor tem de fazer para produzir produtos hortofrutícolas frescos, de acordo com as regras comunitárias e nacionais.

As recomendações são os procedimentos que os agricultores devem adotar para alcançar esse objetivo.

A adoção do código de boas práticas implica por parte do agricultor:

- a leitura do código e o conhecimento do seu conteúdo;
- o cumprimento das obrigações;
- a adoção dos procedimentos constantes das recomendações.

Âmbito

O código destina-se a ser utilizado pelos agricultores que produzem produtos hortofrutícolas frescos (HFF) para colocação no mercado e aos quais se aplicam as regras definidas para a produção primária.

Não é aplicável à produção destinada a uso doméstico privado nem ao fornecimento direto pelo produtor de pequenas quantidades de hortofrutícolas ao consumidor final ou ao comércio a retalho local que fornece diretamente o consumidor final.

Cuidados básicos na colheita de produtos hortofrutícolas

Deficiente condução das operações de colheita, transporte e armazenamento dos produtos hortícolas pode deitar a perder meses de trabalho e comprometer o rendimento das culturas. Assim, devem ser postos em prática alguns princípios básicos de colheita, transporte, armazenamento e expedição dos produtos:

- Colher sempre no estado de desenvolvimento ou maturação ideal, para assegurar a máxima qualidade;
- Sempre que possível, colher nas horas mais frescas do dia, para evitar os efeitos da temperatura elevada;
- Ter especial cuidado com os danos mecânicos - feridas, pisaduras, compressão, esmagamento, abrasões - provocados pelo operador, pelos instrumentos ou pelos contentores de colheita e transporte;
- Proteger do sol os produtos colhidos, para reduzir o aquecimento e a perda de água;
- Arrefecer os produtos o mais rapidamente possível;
- Não misturar no mesmo contentor produtos sãos de boa qualidade com produtos danificados ou infetados;
- Utilizar contentores de colheita e de transporte, limpos, lavados e desinfetados e em boas condições;
- Disponibilizar aos operadores água, sabão e instalações sanitárias apropriadas;

 

previsoes meteorologicas 04 a 13agosto (NOTA)

Embalamento e transporte

Condições de embalamento

hortofruticolas frescos supermercado

- Proporcionar formação aos operadores em relação a:

- índices de desenvolvimento ou maturação dos produtos a colher;
- procedimentos de colheita e transporte;
- higiene pessoal e segurança alimentar. 

Na colheita e preparação de frutícolas, importa respeitar algumas regras de higiene, tendo como objetivo minimizar a transmissão do coronavírus SARS-CoV-2:

- Os produtos devem ser provenientes de produtores que respeitem as boas práticas agrícolas (intervalos de segurança de pesticidas, higiene nas operações de colheita);
- Os trabalhadores que procedem à colheita dos produtos devem cumprir as mais rigorosas regras de higiene (vestuário e calçado próprio para o trabalho, lavagem frequente das mãos ou uso de luvas descartáveis, máscaras de proteção; não tossir, nem espirrar sem proteção e muito menos para cima dos produtos);
- Se possível, os produtos devem ser enxaguados e secos antes de embalados;
- A caixa de acondicionamento deve ser de utilização única (descartável) ou então constituída de material que seja fácil de lavar e de desinfetar, próprio para entrar em contacto com os alimentos;
- Após lavagem e secagem, o acondicionamento dos produtos nas caixas de transporte, deve ser efetuado de forma disciplinada e com cuidados de higiene, garantindo também o distanciamento físico entre operadores (no mínimo 1 m ao ar livre e 2 m em espaço fechado);
- O trabalhador que organiza os produtos deve adotar um comportamento compatível com a manutenção da higiene pessoal e do local de trabalho:

- Antes de iniciar a tarefa, deve lavar sempre as mãos cuidadosamente, deixando o sabão atuar durante alguns segundos antes de enxaguar;
- Deve voltar a lavar e desinfetar as mãos sempre que inicia a organização de uma nova remessa;
- O vestuário e calçado devem ser próprios para a função (jaleca, máscara de proteção, luvas laváveis e desinfetáveis, cabelos protegidos com touca ou boné próprio);
- Sempre que tiver vontade de tossir ou espirrar, utilize um lenço descartável (de papel) ou faça-o na direção do cotovelo, fletindo-o (medidas de etiqueta respiratória);
- Não fumar, nem esfregar os olhos ou nariz durante as operações de acondicionamento dos produtos;
- As caixas reutilizáveis devem ser sempre muito bem lavadas entre utilizações, usando água quente sob pressão, detergente e desinfetante;

- No final de cada ciclo de trabalho devem ser lavadas e desinfetadas as bancadas, os lavatórios, as superfícies de corte de alimentos. Use um detergente e deixe atuar algum tempo. Idealmente dever-se-ão usar materiais descartáveis.

Condições de transporte

O transporte de frutas deve ser realizado em condições que melhor garantam a sua frescura, considerando as condições ótimas de temperatura e de humidade relativa de armazenamento do produto ou das cargas mistas, bem como a eventual ocorrência de absorção de odores quando são transportados diversos produtos no mesmo contentor.

No transporte destes produtos, os motoristas, para além das regras gerais, devem respeitar as seguintes indicações por forma a minimizar a transmissão do coronavírus SARS-CoV-2:

- Estabelecer o menor contacto com os restantes colaboradores - apenas abrir e fechar os camiões para cargas/descargas, mantendo-se no veículo;
- Não efetuar qualquer carga ou descarga de produto nas empresas;
- Os colaboradores que receberem a documentação dos motoristas deverão utilizar luvas e/ou lavar as mãos de imediato (sem tocar em mais nada), mas deve ser privilegiada a entrega de documentos por via digital;
- Garantir a higienização das mãos antes de entrar no veículo e no final da viagem realizar a higienização do interior do veículo e da zona exterior dos manípulos das portas.

Relativamente à venda de produtos ao domicílio:

- O transporte deve ser efetuado em transporte de caixa fechada ou tapando os produtos com uma lona ou um oleado, sendo estes lavados e desinfetados no final de cada viagem;
- Entrega do produto evitando o contacto direto com o cliente, com pagamento e entrega de documentos, preferencialmente, por via eletrónica.

Miguel Teixeira
Divisão de Assistência Técnica à Agricultura/DSDA
Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento, deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura /DSDA
Divisão de Assistência Técnica à Agricultura /DATA
Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telef.: 291 211 260

Comentar

Código de segurança
Atualizar