1 1 1 1 1

Doenças que ocorrem nos ramos das próteas

pr1
Antracnose nas folhas de Protea sp.
pr2
Botrytis cinerea no ápice do ramo de
Leucospermum 'High Gold'

Existem inúmeros fungos que causam manchas nos caules, folhas e flores das próteas.

Os que mais ocorrem nas próteas plantadas na Madeira são a antracnose, a podridão cinzenta e a Dreschlera.

A antracnose é causada pelo fungo Colletotrichum gloeosporioides que ataca principalmente as espécies do género Protea, embora os Leucadendron e as Serruria sejam também suscetíveis.

Os ramos jovens secam, tomando uma cor negra e as folhas apresentam manchas necróticas.

Temperaturas moderadas (20 a 25ºC) e uma elevada humidade do ar favorecem a infeção. Para o seu controlo recomenda-se a eliminação das pontas atacadas e o tratamento com produtos à base de azoxistrobina, mancozebe, procloraz e captana.

A podridão cinzenta, causada pela Botrytis cinerea, ataca os géneros Protea, Leucospermum, Leucadendron e Serruria.

Os rebentos infectados dobram, enegrecem e morrem.

 
pr3
Drechslera em folhas de Leucospermum
'High Gold'

As folhas, gemas florais e flores apresentam manchas castanhas que se estendem, acabando por causar a morte do órgão afetado.

O tempo frio e húmido favorece o aparecimento desta doença, aconselhando-se pulverizações com fungicidas à base de ciprodinil-fludioxinil, fenehexamida, iprodiona, tiofanato-metilo, clortalonil, mancozebe e captana.

A Dreschlera sp. ataca as folhas, caules e flores das espécies e cultivares do género Leucospermum e também algumas espécies e cultivares de Leucadendron.

Este fungo pode causar a morte rápida dos ápices das novas rebentações; as folhas apresentam manchas castanhas a acinzentadas. Temperaturas na ordem dos 19-25ºC e valores elevados de humidade do ar favorecem o desenvolvimento desta doença. O seu controlo é feito através de pulverizações com fungicidas à base de clortalonil, iprodiona, captana e mancozebe.

Os tratamentos deverão ser efetuados sempre que existam condições favoráveis ao desenvolvimento do fungo, com uma periodicidade variável entre uma a três semanas consoante a gravidade da situação, tendo sempre o cuidado de alternar entre substâncias activas de famílias diferentes, de forma a não criar problemas de resistência da doença aos fungicidas.

 

Maria João Dragovic
Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar