1 1 1 1 1

Mosca da fruta - Ceratitis capitata Wied.

mosca da fruta Com as boas condições do estado do tempo, em particular, na costa sul, tem-se verificado um aumento na atividade da mosca da fruta (Ceratitis capitata Wied.), pelo que os senhores agricultores devem tomar algumas medidas de controlo.

Luta biotécnica

Recomendarmos, dum modo geral, para todos os pomares vulneráveis à mesma, a colocação de garrafas mosqueiras (armadilhas de captura massiva). Deve colocar na periferia do pomar, de preferência afastadas do pomar pelo menos 5 metros colocadas em vegetação espontânea ou em estruturas construídas para o efeito, se isto não for possível, colocar na linha de árvores da periferia do pomar virada a sul.

Proceda à substituição periódica (em média de 15 em 15 dias) do atrativo nas garrafas mosqueira. Colocar uma armadilha a cada três árvores em toda a extensão da frente do pomar virada a sul. Não devem ser colocadas no interior do pomar.

Entre vários atrativos que podem ser aplicados poderá usar os seguintes: fosfato diamónio, hidrolisado de proteínas, vinagre de vinho - misture uma parte de vinagre com três partes de água e acrescente uma colher de sopa de açúcar, restos de sumos de fruta misturados, meio por meio, com água e uma colher de sopa de açúcar. Esta medida tem que ser complementar e não de substituição aos produtos fitofarmacêuticos autorizados.

 

Luta cultural

Recolher e colocar os frutos em sacos de plástico que são fechados e deixando-os expostos ao sol por um período de mês e meio, posteriormente este material pode ser usado como adubo orgânico, em alternativa remover do local e destruir os frutos picados.

Luta química

Recomenda-se a realização de tratamentos fitossanitários localizados: dirigidos ao lado virado a sul da copa, fila sim/fila não, utilizando uma mistura do inseticida com um atrativo alimentar (proteína hidrolisada). Antes do período de maturação (40 a 50 dias), proceder à proteção do pomar com produto homologado, respeitando o intervalo de segurança. Podemos fazer uso das seguintes substâncias ativas: acetamiprida, azadiractina, deltametrina, hidrolisado de proteínas e spinosade. Verificação, através do rótulo, se estão homologados para a cultura em questão.

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento fitossanitário deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura - DSDA

Divisão de Assistência Técnica à Agricultura - DATA

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Telef.: 291 211260

 

Divisão de Assistência Técnica à Agricultura
Direção Regional de Agricultura

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar