1 1 1 1 1 Pontuação 4.50 (2 Votos)

Capturas acidentais na Madeira

gephyroberyx darwinii
Gephyroberyx darwinii (Johnson, 1866)
martinha alves
Embarcação Martinha Alves
Aqui ficam mais dois registos de exemplares peculiares dos nossos mares, que continuam a nos surpreender...

Gephyroberyx darwinii (Johnson, 1866)

Este exemplar, conhecido vulgarmente por peixe vidro, media 57,3 cm de comprimento total, pesava 3,446 Kg e foi capturado pela embarcação Martinha Alves, em 2010.

Possuem uma boca grande e oblíqua, a cabeça e o corpo apresentam uma tonalidade rosa escuro e as barbatanas exibem uma coloração avermelhada. Aos lados e ventralmente, a coloração cinza prateada é predominante.

É uma espécie bentopelágica, podendo ser encontrada até os 1210m de profundidade, com preferência pelos substratos duros. Os exemplares jovens alimentam-se de pequenos camarões e peixes, sendo frequentemente encontrados perto da costa.

No oceano Atlântico Este, encontra-se entre a Madeira, Canárias e Senegal, golfo da Guiné e África do Sul.

 

chauliodus danae
Chauliodus danae (Regan & Trewavas, 1929)
navego
Embarcação  Navego
Chauliodus danae (Regan & Trewavas, 1929)

Este exemplar pouco atraente foi capturado pela embarcação espadeira Navego, em 2009. Encontrava-se danificado (sem barbatana caudal) e pesava 12,49 gramas.

Esta espécie encontra-se em águas oceânicas profundas, por vezes abaixo dos 1000m. São peixes de pequenas dimensões e apresentam ventralmente uma fila de pequenos fotóforos (células que produzem luz), característica de organismos que vivem a grandes profundidades. A cor escura predomina, podendo ser prateada nos flancos. Alimentam-se de peixes e crustáceos.

No oceano Atlântico, pode ser encontrada desde Portugal até Cabo Verde, golfo do México, Caribe e Canadá.


Graça Faria
Direção Regional de Pescas
(Fotos: Arquivo DSIDP)

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar