1 1 1 1 1 Pontuação 1.00 (1 Votos)

Participação na Jornada Técnica RELACRE - Visão Geral sobre a nova Norma ISO/IEC 17025 - Alterações e Impactos

figura1 relacre
Fig. 1 – Jornadas Técnicas da RELACRE no LNEG

No passado dia 28 de novembro de 2017, decorreram as “Jornadas Técnicas RELACRE - Visão Geral sobre a nova Norma ISO/IEC 17025 - Alterações e Impactos”, que decorreu no LNEG (Laboratorio Nacional de Energia e Geologia), em Lisboa (Fig. 1).

Os oradores da jornada foram Álvaro Silva Ribeiro, que falou do “ILAC e os documentos de referência para a acreditação no novo referencial ISO/IEC 17025:2017”, e Noélia Duarte, que fez a “apresentação da norma atual, estrutura e conteúdos”.

A Direção Regional de Agricultura esteve presente, através da Direção de Serviços dos Laboratórios e Investigação Agroalimentar, uma presença que se revelou muito importante, uma vez que houve a oportunidade de estar num espaço de análise da nova versão da norma ISO/IEC 17025:2017 bem como de participar numa reflexão sobre os desafios das alterações e suas implicações no desenvolvimento da atividade laboratorial.

Em suma, e do que ficou acordado no fim destas jornadas, relativamente à nova versão da norma, realçamos o seguinte:

figura2 relacre
 Fig. 2 – Nova estrutura da norma ISO/IEC 17025:2017

- Existem diferenças substanciais face à versão anterior de 2005, quer na sua estrutura, uma vez que segue a estrutura de alto nível (HLS) e o texto comum da ISO com a abordagem integrada aos sistemas de gestão, quer no conceito de imparcialidade e de confidencialidade, quer na identificação de risco e oportunidades de melhoria contínua - conducentes à efetividade do sistema de gestão (Fig. 2);

- Implementa-se assim o pensamento baseado em riscos e oportunidades por parte dos laboratórios;

- Introduz-se o conceito de abordagem por processos, no qual a organização/laboratório deverão compreender quais os processos inter-relacionados que constituem o seu sistema e que contribuem para a eficácia e a eficiência da organização para atingir os resultados pretendidos;

 

- Mantém-se a sua filosofia em termos de estabelecimento de requisitos gerais focados na competência dos laboratórios de ensaio e de calibração, sendo por isto mesmo, uma norma por excelência aplicada à comunidade laboratorial;

- Ser uma norma alinhada com as outras Normas da Série da ISO 17000, com incorporação de termos e de estrutura padronizados pelo ISO/CASCO;

- Assegurar que os laboratórios que fazem parte de organizações maiores, ou que oferecem outros serviços, podem operar um sistema de gestão de forma integrada;

- Permitir aos Laboratórios o reforço da sua competência técnica, que contribua para a qualidade de vida e segurança da sociedade, como uma forma de diferenciação e de garantia da sua competitividade e da sua sustentabilidade, no contexto da avaliação da conformidade.

Foi referido ainda que o período de transição previsto pelo International Laboratory Accreditation Cooperation (ILAC) para harmonização da implementação da nova versão é de 3 anos a contar da data de publicação, ou seja novembro de 2017, pelo que em novembro de 2020 a transição tem de estar finalizada.

A versão portuguesa da norma deverá sair no primeiro quadrimestre de 2018.

Concluiu-se ainda que a implementação da nova versão da norma, acarreta bastante trabalho, trabalho esse que já está a ser realizado, nomeadamente:

- Adaptação dos documentos internacionais ILAC e European co-operation for Accreditatio (EA) e de organismos de acreditação nacionais;

- Desenvolvimento de metodologias para avaliação da implementação da norma;

- Desenvolvimento de formação;

- É expectável um substancial impacto em outras normas referenciadas a esta norma.

Nas instituições com laboratórios acreditados, prevê-se que se inicie um longo trabalho de reflexão, de interiorização para “arranjar” soluções aplicáveis, e de implementação das principais alterações nos seus sistemas de gestão para ir ao encontro da atual versão da norma.

Para isso, é muito importante o envolvimento de todos os trabalhadores, desde a gestão de topo, gestores da qualidade, responsáveis técnicos, analistas a todos os outros trabalhadores envolvidos neste tipo de laboratórios.

 

“Se nunca ninguém se arriscasse, Michelangelo teria pintado o piso da Capela Sistina”.

Neil Simon

 

Zita Maria Caires Vasconcelos
Gestor da Qualidade e do Sistema de Gestão
Direção de Serviços dos Laboratórios e Investigação Agroalimentar
Direção Regional de Agricultura

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar