1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal ao seu dispor!

apuramentos meteorologicos semana52 (LEGENDA)

Segundo os apuramentos meteorológicos, do período, compreendido entre 21 e 27 de janeiro, (ver quadro), com algumas alterações, relativamente à semana anterior, ou seja, menor presença de nebulosidade, com os valores das temperaturas médias a subirem, assim como os níveis de precipitação a baixar novamente.

Com estas condições do estado do tempo, a necessidade de efetuar as regas das culturas é necessária. Ver no quadro, os indicadores da Precipitação (P) e Evapotranspiração potencial (ETP) que indicam claramente a necessidade de efetuaras regas.

Poucas alterações nas previsões climáticas para a próxima semana, (até 06 de fevereiro), ou seja, na costa sul continuará a haver alguma nebulosidade sem precipitação, e na costa norte, presença de muita nebulosidade e precipitação esporádica, podendo assim, planear com alguma segurança, as tarefas inerentes a uma boa prática agrícola.

Vinha

Gestão do solo vitícola

A intervenção do solo em vinhas tem como principal objetivo o controle das infestantes na entrelinha e/ou a descompactação do solo. Normalmente, para levar a cabo estas operações, o agricultor recorre à utilização de alfaias como a grade de discos ou o escarificador.

Estas operações quando realizadas frequentemente conduzem a solos pobres em matéria orgânica, deixam o solo desprotegido aumentando bastante o risco de ocorrência de erosão hídrica e impossibilitam com frequência o trânsito de máquinas e pessoas.

Dependendo do risco envolvido, existem atualmente diferentes opções para proteger o solo da degradação provocada pela erosão:

1. Mobilização mínima da entrelinha;

2. Não mobilização da entrelinha;

3. Cobertura do solo

3.1. Com vegetação espontânea;

3.2. Com vegetação semeada;

3.3. Uso de materiais mortos (“mulching”, plástico na linha, casca de pinho, palhas, …)

As medidas de conservação a adotar na intervenção do solo em vinhas dependem de vários fatores, não havendo uma fórmula única que possa ser aplicada a todas as situações, sendo essencial considerar alguns fatores (risco de erosão, degradação do solo, transitabilidade de máquinas e pessoas, eco-condicionalidade - cumprimento de normas ambientais), aquando da decisão da intervenção do solo na entrelinha. De salientar que, uma incorreta avaliação das condições da parcela pode trazer alguns problemas traduzidos num aumento da compactação do solo, das perdas por escorrimento, do uso de herbicidas e, um acréscimo de dificuldades no controlo das infestantes.

Manutenção do solo

vinha 1 Nesta fase de repouso vegetativo da vinha, e uma vez que as condições do estado do tempo o permitem, deverá implementar as seguintes medidas:

- Programar a fertilização orgânica ou mineral conforme o resultado das análises de solo e foliares.

 

previsoes meteorologicas semana52 (NOTA)

- Combater as infestantes na linha através de mobilização do solo ou aplicação de herbicidas. (A zona da linha - por baixo das videiras - deve manter-se limpa de infestantes). A aplicação de herbicidas deverá limitar‐se à zona da linha das videiras, deixando sempre nas bordaduras das parcelas uma zona com cobertura vegetal para evitar que, através do escorrimento, os resíduos dos herbicidas contaminem as águas superficiais. O solo da entrelinha deverá permanecer protegido através da manutenção do coberto vegetal, natural ou semeado, que só se aconselha cortar no final do inverno.

- No período entre 15 de novembro e 1 de março, as parcelas com IQFP igual ou superior a 3 (Declive da parcela – menos ou mais desnivelada de 1 a 5), devem apresentar uma vegetação de cobertura, instalada ou espontânea na zona da entrelinha.

Aplicação de herbicidas

vinha 2 O sucesso da aplicação passa pelo cumprimento das seguintes regras:

- Antes da preparação da calda leia o rótulo e respeite as doses e condições de aplicação nele descritas;

- Dê preferência a herbicidas menos tóxicos para o homem e meio ambiente; e ter em atenção as frases de risco constantes no rótulo;

- Na escolha do herbicida tenha em consideração a idade da cultura e o tipo de solo;

- A aplicação deve ser efetuada sem atingir a cultura;

- Para evitar o arrastamento do produto, aplique os herbicidas a baixa pressão e em dias sem vento;

- Não aplique herbicidas com atomizador;

- Utilize equipamento e bicos próprios para esta finalidade;

- Limite a aplicação de herbicidas à linha, e evite a contaminação de linhas de água por escorrimento ou deriva;

- Alterne herbicidas com diferentes modos de ação para evitar resistências.

Tipos de herbicidas

• Herbicidas para aplicação à parte aérea das infestantes, são herbicidas a utilizar quando existem já infestantes que se pretende eliminar e podem ser sistémicos ou de contacto. Não devem ser aplicados em solo nu por não possuírem qualquer ação preventiva.

• Herbicidas de aplicação ao solo, são herbicidas que, aplicados sobre solo nu, impedem a emergência de infestantes durante o período, correspondente à sua persistência de ação. Estes herbicidas possuem ação fraca ou nula sobre infestantes já instaladas.

• Herbicidas mistos, são misturas dos anteriores, possuem ação sobre as infestantes presentes e, durante o seu período de persistência de ação, impedem a germinação de novas ervas. Não devem ser aplicados quando o solo está já coberto com infestantes muito desenvolvidas.

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento, deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura /DSDA
Divisão de Assistência Técnica à Agricultura /DATA
Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telef.: 291 211 260

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar