1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal ao seu dispor!

apuramentos meteorologicos (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

Segundo os apuramentos meteorológicos de 16 a 22 de julho (ver quadro), continuam a não haver grandes alterações nas condições do estado do tempo, ou seja, continuação de temperaturas amenas, alguma nebulosidade e precipitação quase nula. Condições ótimas para a realização de todas as tarefas inerentes a uma boa prática agrícola.

Estas condições do estado do tempo, obrigam por outro lado, uma atenção redobrada à frequência das regas. Ver no quadro, os indicadores da Precipitação (P) e Evapotranspiração potencial (ETP), que refletem esta situação. Há uma necessidade de regar, mas só o devemos fazer de acordo com as necessidades hídricas das culturas. É imperioso um uso racional de água.

A previsão do estado do tempo para os próximos dias (até 1 de agosto), anuncia poucas alterações relativamente à semana anterior, ou seja, mais do mesmo, alguma nebulosidade em toda a região, com possibilidade de aguaceiros apenas nas costas viradas a norte, com tendência a diminuir, à medida que o verão avança.

Actinídea - Kiwi

Bacteriose (PSA) (Pseudomonas syringae pv. actinidiae)

kiwi folha Nos pomares afetados são visíveis os sintomas nas folhas (manchas necrosadas com halo amarelo). Há também ramos secos e mortos nas plantas doentes.

kiwi pernada

Cancros nos ramos e tronco, com escorrimento de goma translúcida a avermelhada.

Na Primavera, em condições de elevada humidade relativa, há produção de exsudado bacteriano, o que permite a dispersão da doença através de operações culturais inadequadas, da chuva e do vento. Invernos frios e húmidos, seguidos de Primaveras húmidas, parecem ser favoráveis à doença.

 

previsoes meteorologicas (NOTA)

Meios de Controlo

kiwi plantaNão existem meios de luta curativos, pelo que se deve evitar a introdução do agente causal no pomar.

O tempo incerto, alternando dias de sol com outros de humidade e chuva ou chuviscos, são favoráveis à reprodução e disseminação da bactéria pelos pomares. Nestas condições, desaconselha-se a poda em verde nos pomares afetados. Se, mesmo assim, optar por a fazer, deve desinfetar regularmente as tesouras e aplicar um fungicida à base de cobre à medida que for prosseguindo com a poda. Aconselha-se a aplicação de um fungicida à base de cobre, que contenha hidróxido de cobre (AIRONE SC; BADGE WG), de modo a impedir a reprodução e dispersão da bactéria durante os períodos de chuva.

O pomar deverá ser inspecionado com regularidade, nomeadamente no início da Primavera e no Outono, quando os sintomas são mais visíveis. Caso a doença se instale, as plantas mortas devem ser arrancadas e queimadas.

O material infetado não deve ser deixado no pomar, não devendo ser destroçado e incorporado ao solo.

Os tratamentos com produtos à base de cobre são recomendados na primavera, antes da rebentação, no outono, após a queda das folhas, e sempre que as plantas apresentem feridas devido ao granizo ou ventos fortes.

As adubações deverão ter por base análises de solo e foliares, evitando o vigor excessivo das plantas.

Deve-se manter o controlo do coberto vegetal no pomar.

Na poda, as plantas com sintomas deverão ser podadas em último lugar, tendo-se o cuidado de desinfetar as tesouras e os serrotes com uma solução de hipoclorito de sódio a 10% ou álcool a 70%. Deve podar-se com tempo seco.

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento, deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura /DSDA
Divisão de Assistência Técnica à Agricultura /DATA
Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telef.: 291 211 260

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar