1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal ao seu dispor!

apuramentos meteorologicos (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

Segundo os apuramentos meteorológicos de 15 a 21 de janeiro (ver quadro), mantiveram-se dum modo geral as condições do estado do tempo, clima ameno em todas as suas vertentes. Alguma nebulosidade e fraca precipitação.

Atenção à frequência das regas, uma vez que os níveis de precipitação são baixos para a época, em particular nos locais de maior expressão agrícola, com a exceção do concelho de Santana. Ver no quadro, os indicadores da Precipitação (P) e Evapotranspiração potencial (ETP). A intensidade média do vento (ff), a fazer-se sentir duma forma moderada, não interferindo, com a realização das mais variadas operações culturais.

A previsão do estado do tempo para os próximos dias (até 31 de janeiro), sem alterações de maior, um pouco mais de nebulosidade que a semana anterior, com precipitação apenas na costa norte. Temperaturas a baixar gradualmente.

FaveiraVicia faba

Apesar de não serem conhecidas as origens da fava, existem indícios do seu consumo desde a idade da pedra. Ricas em proteínas e hidratos de carbono, eram e ainda são muito apreciadas.

Pertencem à família das leguminosas e têm uma propriedade muito interessante na agricultura biológica já que captam o azoto da terra e depositam-no na terra. Uma planta consegue fixar no solo azoto equivalente a uma mão cheia de ‘bolinhas de fertilizante industrial’.

Plantação
fava 1 A fava é plantada em meados do Outono (outubro, novembro) de modo a aproveitar o tempo frio e o excesso de água. Está bem adaptada ao tempo frio e é capaz de suportar temperaturas de 0º C e geadas ligeiras.

Na sabedoria Popular diz-se "Nos Santos, favas pelos cantos", referindo-se ao dia de todos os Santos, a 1 de novembro.

Planta-se no local definitivo, a um palmo de distância entre plantas (20 cm) e dois palmos entre regos (30 a 40 cm). Antes de semear a fava coloque em água algumas horas para acelerar a germinação. Cresce normalmente a um metro de altura e prefere zonas onde possa aproveitar toda a luminosidade dos dias curtos de Inverno. Suporta terrenos com alta salinidade.

Favas estacadas

fava 2Uma vez que são plantadas na altura das chuvas não é necessário regar. Tenha cuidado que a terra se mantenha húmida caso a estação seja anormal. A variedade mais corrente não necessita de estacamento, mas no caso de zonas ventosas, convém apoiar o faval com estacas e fios. A fava deve ser agarrada com fio pois não tem a capacidade de se prender ou trepar.

Colheita

Normalmente a maturação ocorre em maio e deve ser controlada para evitar que as favas fiquem muito duras. A parte comestível está dentro da Vagem (Casaco) protegida por uma camada fina (camisa) que deve ser retirada. Também podem ser consumidas antes da maturação total aproveitando-se a vagem inteira enquanto está tenrinha.

Sementes de fava

fava 3 De modo a colher a semente deve deixar a planta amadurecer totalmente até a vagem ficar seca. As sementes são recolhidas e guardadas num local seco e escuro até ao próximo ano. As sementes de fava com mais de um ano começam a perder capacidades germinativas.

 

previsoes meteorologicas (NOTA)

Adubo verde

A fava tem a capacidade de captar o azoto da atmosfera e fixá-lo no solo, assim no final da colheita tem o solo mais adubado do que quando plantou. Após a colheita enterre a planta para aproveitar também o azoto contido na planta.

Praga mais importante

fava 4 afideos Afídeo negro da fava, designado cientificamente como Aphis fabae Scopoli. É um inseto de cor negra e em forma de pera com cerca de 3,9 milímetros de comprimento, que vive em colónias, na página inferior das folhas.

O ciclo biológico da praga

Os ovos duráveis são postos no outono sobre as plantas hospedeiras. Nestes hóspedes primários estes insetos, cumprem várias gerações desde março até maio. Depois de nascerem em abril, a geração seguinte reproduz-se por partenogénese, resultando uma descendência feminina. Os afídeos podem reproduzir-se durante todo o ano.

Estragos

O ataque verifica-se nos rebentos novos dos ramos e nas folhas. O pulgão suga a seiva, injetando toxinas que vão enrolar e provocar necroses nas folhas e atrofia e deformação nas flores. As plantas muito atacadas têm desenvolvimento reduzido, podendo gerar a fumagina que cobre as folhas impedindo que estas elaborem a fotossíntese. O inseto também é perigoso, pois pode ser um vetor ou transmissor de vários vírus.

Prevenção

- Elimine as plantas espontâneas;

- Diminua ao máximo a adubação azotada;

- Elimine a haste terminal da faveira;

- Utilize plantas repelentes, como a hortelã pimenta, o alho, a cebola e nasturtiums (Trapaeolum majus);

- Regue as folhas por aspersão;

- Aplique placas amarelas autocolantes.

A luta química biológica

Utilize óleos inseticidas, sabão de potássio, macerado de urtiga, água de cozer batata-doce, infusão de tanaceto, rotenona, piretrinas, quassia e em último caso, lambda-cialotrina.

Pode também optar por uma luta biológica. Nesse caso, recorra a coccinelideos (joaninhas),sirfideos (pequenas vespas), crisopas e fungos entomoparasitas também são boas opções para se livrar desta praga.

Doenças

Destaca-se a Botrytis sp (mancha do chocolate). O controlo é feito com a aplicação de fungicidas (EX AZOXISTROBINA E CIPRODINIL+FLUDIOXONIL).

Sabedoria popular

Quando não chove em janeiro, nem bom prado nem bom celeiro».

Janeiro frio e molhado enche a tulha e farta o gado.

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento, deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura /DSDA
Divisão de Assistência Técnica à Agricultura /DATA
Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telef.: 291 211 260

Comentar

Código de segurança
Atualizar