1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal!

apuramentos meteorologicos (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

Segundo os apuramentos meteorológicos de 29 de maio a 04 de junho (ver quadro), verificaram-se poucas alterações relativamente à semana anterior, ou seja, precipitação quase nula em toda a ilha. Efetuar necessariamente as regas, mas apenas e só de acordo com as necessidades hídricas das culturas.

A previsão do estado do tempo para os próximos dias (até ao dia 14 de junho) apresenta poucas alterações. Na costa sul, continuação de alguma nebulosidade, alternando com algumas ‘abertas’. A norte, o IPMA prevê também alterações das condições atmosféricas, ou seja, menos nebulosidade e níveis de precipitação a baixar gradualmente. Condições meteorológicas mais uniformes em toda a ilha, ótimas para planear e proceder no imediato a qualquer tipo de operações culturais e tratamentos fitossanitários. Apenas a precipitação esporádica pode travar a execução destas tarefas. Devemos estar constantemente atentos às previsões sobre o estado do tempo, por forma a evitar contratempos.

Com estas condições meteorológicas, devemos monitorizar os pomares de citrinos para uma eventual deteção e de forma precoce, os primeiros sinais de pragas, por forma a poder atuar atempadamente no seu controlo, de forma preventiva.

Traça do limoeiro (Prays citri)

traca limoeiro fruto traca limoeiro pecas florais
 Fotos 1 e 2 - Fruto gravemente afetado pela ação de Prays citri (esq.) e Estragos no botão floral causados pelas larvas de Prays citri

A cultura do limoeiro encontra-se, predominantemente, no estado de primeira flor / plena floração. Considerando o início do voo da praga, recomendamos a observação aos órgãos florais para determinar a presença deste inimigo. Para o efeito deverá realizar-se a observação de 300 botões florais, sendo o nível económico de ataque considerado, quando 5 % destes órgãos estiverem atacados (com posturas ou perfurações). Para o combate deste inimigo recomenda-se a utilização de inseticidas homologados, como por exemplo:

- emamectina benzoato (SG AFFIRM), 150 g/hl, IS: 7 dias;

- lambda-cialotrina CS (KARATE ZEON), 17,5 ml/hl, IS: 7 dias.

A indicação destes produtos fitofarmacêuticos não dispensa a leitura atenta do rótulo do respectivo produto. Chama-se à atenção para o facto de se indicarem todos os produtos comerciais referentes à substância activa em causa, no entanto, a confirmação da sua homologação para esta finalidade, deverá ser efectuada através da leitura do respectivo rótulo do produto.

Psila Africana (Trioza erytreae) - praga de quarentena

psila citrinos folhas psila citrinos ninfa
 Fotos 3 e 4 - Sinais da presença da Trioza erytreae em folhas de citrinos e ninfa da psila africana, respetivamente

Como medidas de combate à psila africana salienta-se:

- a proibição da entrada no país de material de propagação de citrinos (plantas inteiras, porta-enxertos e garfos e borbulhas para enxertia), provenientes de países onde seja conhecida a existência;

 

previsoes meteorologicas (NOTA)

- proibida a produção, dentro do país, de material de propagação de citrinos nas zonas afetadas pela praga e sua comercialização;

- cortar e queimar de imediato os ramos com sintomas da praga;

- não adquirir nem plantar árvores com sintomas;

- não enxertar com garfos ou borbulhas provenientes de árvores afetadas. As árvores afetadas devem ser sujeitas a monitorização durante o ano, para confirmação da eliminação ou não da praga e continuação da aplicação de medidas para o seu combate;

- podem ser aplicados inseticidas. Estão homologados em Portugal quatro inseticidas de uso profissional, neonicotinoides, à base de acetamiprida (EPIK SG), imidaclopride (CONFIDOR O-TEQ e NUPRIDE 200 SL) e tiametoxame (ACTARA 25 WG), e um de uso não profissional, à base de acetamiprida (POLYSECT ULTRA PRONTO). A aplicação de todos eles deve coincidir com os períodos de rebentação, apenas nas árvores afetadas e nas da sua vizinhança.

Os tratamentos à base de óleo de verão, normalmente aplicados contra cochonilhas, tendo o cuidado de atingir completamente toda a copa da árvore, também têm eficácia contra a psila africana.

Mineira dos citrinos (Phyllocnistis citrella)

mineira rebentos citrinos folha mineira rebentos citrinos adulto
 Fotos 5 e 6 - Sinais evidentes de Phyllocnistis citrella na folha e Mineira no estado adulto, respetivamente

Considerando o período de rebentação que se verifica no momento (plantas jovens, reenxertadas ou recentemente podadas), continuamos a recomendar a realização de uma observação atenta aos pomares para detetar a presença, em jovens rebentos com 3 a 4 cm de comprimento, se começarem a ser visíveis os primeiros sinais de atividade desta praga, caracterizados pela presença de ovos e larvas nos órgãos vegetativos desta cultura (pequenas folhas e raminhos).

Quando for atingido o nível económico de ataque (10 – 15 % de rebentos com jovens larvas), aconselhamos a realização de tratamento fitossanitário com um dos insecticidas homologados:

- imidaclopride, CONFIDOR O-TEQ – 75 ml/hl.

Deve adicionar-se Foli-Óleo na concentração de 500ml/hl. No caso de a praga estar associada à mosca branca, a concentração do óleo deve ser de 1000ml/hl.

Com estas condições do estado do tempo, irá verificar-se o aparecimento da mosca da fruta (Ceratitis capitata), daí recomendarmos, dum modo geral, para todos os pomares vulneráveis à mesma, a colocação de garrafas mosqueiras (armadilhas de captura massiva), como uma medida complementar e não de substituição aos produtos fitofarmacêuticos autorizados. Em média colocar uma armadilha, por cada três árvores.

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura /DSDA
Divisão de Assistência Técnica à Agricultura /DATA
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 
Tel..: 291 211 260

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar