1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal ao seu dispor!

apuramentos meteo (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

De acordo com as previsões para a próxima semana, assitir-se-á à continuação da nebulosidade, acompanhada de precipitação. As temperaturas médias continuam a baixar gradualmente, oscilando entre os 13ºC e os 22ºC, uma amplitude térmica de 9ºC. A velocidade do vento fazer-se-á sentir, o que impede, na maioria dos casos, a aplicação de produtos fitofarmacêuticos. As regas, em consequência do aumento verificado da precipitação, deixam de ser necessárias. 

TRATAMENTOS FITOSSANITÁRIOS

Na aquisição dos produtos fitofarmacêuticos deve informar-se previamente qual o problema fitossanitário que afeta as suas culturas, das finalidades dos mesmos, assim como se está homologado para a cultura em questão, ou seja, para as quais está autorizada a sua aplicação. Não esquecer, dado que é uma obrigação, de registar no caderno de campo as utilizações dos produtos fitofarmacêuticos.

Respeite o Intervalo de Segurança (IS), que é o número de dias que decorre entre a última aplicação e a colheita e consulte sempre o rótulo do produto fitofarmacêutico.

Sempre que possível, deverá alternar o uso dos produtos fitofarmacêuticos com outros com a mesma finalidade, por forma a não permitir condições para o aparecimento de resistências.

NOTA: Os tratamentos fitossanitários só devem ser realizados se as condições do estado do tempo os permitir.

MANUTENÇÃO DOS APARELHOS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

AAproveite os períodos mais tranquilos do Inverno para fazer uma revisão e manutenção aprofundada dos aparelhos, tendo em atenção os seguintes aspetos:

Depósito ► lavá-lo com água limpa para eliminar possíveis incrustações de produto nas suas paredes ou no fundo. Verificar que o depósito não tenha furos nem rachadelas, procedendo à sua reparação ou substituição, se necessário.

Filtro do depósito ► A sua função é de reter as impurezas presentes na água e as partículas de produto não completamente dissolvidas. Deve-se manter em boas condições, limpando-o cuidadosamente com jato de água.

Tubagens ► Devem ser lavadas com jato de água para eliminar possíveis incrustações no seu interior. Substituí-las em caso de deterioração.

Bicos ► Os bicos podem estar obstruídos, pelo que o débito de produto irá diminuindo. É aconselhável proceder à limpeza dos bicos, depois de desmontados, para restituir a sua capacidade de pulverização. Nesta limpeza não deve utilizar objetos perfurantes que possam alterar o diâmetro do orifício de saída do líquido. Caso seja necessário, substituir os bicos.

Bomba ► Nas máquinas que disponham deste elemento, deve comprovar-se periodicamente que o lubrificante contido no cárter está ao nível aconselhado. O óleo deve ser mudado periodicamente.

Manutenção do motor ► Deve limpar-se o filtro de ar a cada 50 horas de funcionamento. Controlar o estado das velas a cada 50 horas – devem-se desmontar, limpar e comprovar que a distância entre elétrodos é a correta. No caso das velas estarem muito deterioradas, deve proceder-se à sua substituição.

Dever-se-á continuar com as observações às culturas, por forma a detetar precocemente quaisquer sinais ou sintomas de pragas/doenças, como tem vindo a ser recomendado.

- Kiwi

Podridão cinzenta - (Botrytis cinerea)

Os ferimentos nos frutos durante a colheita podem dar origem a podridões durante a conservação nas câmaras, causadas por Botrytis cinerea e outros fungos, pelo que se aconselha o maior cuidado no manuseamento dos frutos.

- Anoneiras

As anoneiras devem ser monitorizadas, na tentativa de detetar a presença da cochonilha algodão e outras ‘lapas’, de certa forma associadas à fumagina. 

A fumagina é uma doença provocada por diversos fungos, destacando-se entre eles o género Capnodium sp. Este fungo dificulta a boa vegetação da anoneira. Encontra-se em placas pretas aveludadas a cobrir ramos, folhas e frutos. O limbo das folhas pode ficar completamente coberto pelo parasita, ficando assim dificultada a fotossíntese, respiração e transpiração da planta.

A fumagina vive saprofitamente sobre a ‘melada’ que se forma nas folhas, ramos e frutos, devido à ação de certos insetos como as cochonilhas, afídios e aleurodes. Os frutos, pelo seu mau aspeto, perdem valor comercial. Como este fungo não penetra nos tecidos da planta (não é patogénico) é facilmente removido por fricção.

A luta contra esta doença saprófita consiste na proteção do pomar contra os insetos que produzem melada, como as cochonilhas (lapas), afídeos (piolhos) e aleurodes (mosquinha branca), pelo que se deve aplicar Imidan 50 WP (fosmete), numa concentração de 60g/hl.

Podemos também realizar tratamentos preventivos para combater a antracnose (sintoma fitopatológico resultante da infeção das plantas por vários agentes etiológicos, entre os quais várias espécies de fungos, em geral pertencentes aos géneros Colletotrichum e Gloeosporium), utilizando sulfato de cobre, vulgarmente conhecido por ‘calda bordalesa’. (ver instruções do rótulo). Esta doença é caracterizada por manchas escuras (amarelas ou castanhas) nas folhas, frutos e tronco de certas espécies vegetais (videira, abacate, anona, goiaba, araçá, manga, maçã e outras frutas). Nomes vulgares: doença-negra, moléstia-negra.

- Maracujazeiro

Para combater a antracnose, deverá realizar tratamentos preventivos, utilizando sulfato de cobre (calda bordalesa), como já atrás referido, ou ainda utilizando um outro produto fitossanitário, designado Ortiva (s.a.: azoxistrobina) que também previne, para além da antracnose,  a septoriose.

 

previsoes meteo (NOTA)

A aplicação de calda bordalesa no combate da antracnose também previne o aparecimento de outras doenças tais como:

• Tombamento ou "Damping off" (causado pelos fungos Rhyzoctonia, Fusarium e Phytophthora)

• Verrugose ou cladosporiose (causada pelo fungo Cladosporium herbarum)

• Alternariose (causado por fungos do género Alternaria sp)

Na presença de ácaros (Tetranychus urticae), aplicar Thiovit Jet (enxofre), 2,5 Kg/ha; Vol. Calda: 1000L/ha; Máximo 4 aplicações/ano (10-14 dias de intervalo) com 1 dia de intervalo de segurança.

- Morangueiro

O morangueiro é uma planta muito sensível a solos compactos, que reduzem o seu crescimento, asfixiando o sistema radicular. Requer luz solar directa e um solo que permita uma boa drenagem, não sendo aconselhável plantá-los em zonas que se mantenham húmidas durante a primavera, já que este tipo de ambiente frequentemente origina doenças relacionadas com as folhas e raízes do morango.

Preparação do solo

O cultivo dos morangos exige uma preparação cuidada do solo. Para um correcto desenvolvimento da planta, este deve ser inicialmente testado, ao nível do pH e de fertilidade do mesmo. Os morangos preferem um solo com um pH entre 5,3 a 6,2.

Plantação

A plantação dos morangueiros varia consoante o local de plantação e a região onde é feita, contudo é possível plantar morangueiros de outubro até janeiro. Pode optar por plantar os seus morangueiros em camalhões ou se quiser pode plantá-los em vasos ou floreiras. Se optar por plantar em camalhões estes deverão ter uma altura superior a 25 cm. A sua forma arredondada serve para evitar a acumulação de água. A largura deve ser compreendida entre 60-70 cm, de modo a incluir duas filas de plantas num único camalhão.

Não plante demasiado fundo, porque a planta terá dificuldade em originar novas folhas, nem demasiado à superfície porque dessa forma a planta terá dificuldade em emitir raízes.

- Citrinos

As condições de tempo húmido, como se verifica nesta época do ano, são favoráveis ao desenvolvimento do míldio ou aguado, provocado por fungos do género Phytophthora sp. Assim, para prevenir o aparecimento desta doença nos frutos, aconselha-se a realização de um tratamento de preferência com um produto à base de cobre. A pulverização deve ser direcionada para o solo e terço inferior da copa das árvores.

Luta cultural: promover o arejamento das plantas; a zona de enxertia deve situar-se a uma distância do solo nunca inferior a 50 cm; evitar o contacto dos ramos com o solo; efetuar a drenagem do solo; realizar a colheita com tempo seco; retirar e destruir os frutos infetados.

Operações culturais

Estamos na altura da colheita da tão procurada e valorizada tangerina da “Festa”, bem como da maçã regional, mais conhecida por “Pero Domingos” e também do kiwi. Para aumentar o período de conservação destes frutos, convêm colhê-los ao início da manhã ou no fim do dia, tendo sempre a preocupação de os colher com o pedúnculo (pecíolo). O “pero domingos” deve ser mantido em zonas frescas, nos tradicionais caniços, ou recorrer à sua conservação nos centros abastecedores distribuídos pela Ilha, sendo esta última alternativa também aconselhável para a conservação do Kiwi.

Continuar a mobilização dos solos para as sementeiras e plantações de outono-inverno, onde se irão fazer novas plantações de fruteiras e vinhas em janeiro/fevereiro procedendo à correção da reação do solo e à incorporação de composto.

Importante não esquecer, que é necessário desde já, efetuar as encomendas das fruteiras e dos bacelos.

Deverá aproveitar-se esta altura do ano, para realizar a calagem dos solos, caso seja necessário, ou seja, mediante os resultados da análise laboratorial.

Proceder à abertura de valas, regos ou outras obras que se considerem vantajosas para evitar a estagnação da água das chuvas.

Conservar o jardim limpo, procedendo à apanha da folhagem caía e aproveitando-a com outros restos de plantas, ervas, detritos vários e cinzas, para o fabrico de composto. Podar roseiras e outros arbustos, bem como árvores que não estejam em flor.

A prática de falsas sementeiras pode ser de grande ajuda na prevenção da infestação por ervas espontâneas que fazem concorrência e prejudicam a cultura da batateira. A falsa sementeira consiste na preparação do solo algumas semanas antes da instalação da cultura, deixando nascer uma camada de ervas infestantes, que serão destruídas enquanto pequenas, por uma gradagem. Só depois se faz a plantação da batata.

Aquando do transplante, escolha as plantas saudáveis e elimine as mais frágeis ou que apresentem sinais de doenças.

Para preservar e melhorar a fertilidade do solo é preciso usar técnicas culturais que tenham efeito direto sobre as suas características, sendo para isso fundamental, nas nossas condições, aumentar o seu teor em matéria orgânica, fertilizar racionalmente as culturas e corrigir a acidez do solo, de acordo com análises laboratoriais, que podem ser obtidas gratuitamente no Laboratório Agrícola da Madeira, situado na Camacha.

No final de cada dia de trabalho, deposite o lixo nos locais próprios para o efeito.

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura
Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telefone: 291 214 310

Comentar

Código de segurança
Atualizar