1 1 1 1 1 Pontuação 5.00 (1 Votos)

Os Sirfídeos ou Moscas-das-flores

sirfideos na Madeira 1 Os sirfídeos são insetos/moscas com uma importância ecológica elevada, tendo em conta o seu papel no equilíbrio biológico dos ecossistemas naturais, atuando como agentes controladores de pragas e como polinizadores ativos. Estas características podem ter um importante impacto económico nas produções agrícolas e silvícolas, principalmente naquelas efetuadas segundo as orientações da agricultura biológica e/ou da proteção integrada.

Estes insetos, de que se conhecem atualmente cerca de 6 800 espécies diferentes, encontram-se em todas as regiões do mundo. No arquipélago da Madeira conhecem-se 26 espécies, quatro das quais são exclusivas (endémicas), distribuindo-se da seguinte forma: Madeira (25), Porto Santo (14) e Desertas (7).

Os adultos apresentam, como característica diferenciadora, manchas de cores vivas, predominando o amarelo, o alaranjado ou o branco na forma de bandas, faixas, crescentes, no tórax e abdómen, sobre um fundo de cor escura, ou então uma cor escura uniforme, que pode ter reflexos metálicos. 

 

Este aspeto pode levar a confundi-los com himenópteros (vespas e abelhas). Esta semelhança é propositada e é designada por mimetismo batesiano, no qual a espécie inofensiva, o sirfídeo, imita uma espécie agressiva, a vespa, para enganar possíveis predadores, aves, morcegos e outros. No entanto, apesar da possível confusão, os sirfídeos têm apenas um par de asas e antenas com três segmentos, ao contrário dos himenópteros, que têm dois pares de asas e antenas com 13 ou 14 segmentos.

Na fase larvar, mais de metade das espécies existentes na Madeira são predadoras de afídeos. As fêmeas adultas colocam isoladamente os seus ovos, brancos e alongados, com cerca de 1 mm de comprimento, perto das colónias das suas presas. A fase larvar dura normalmente entre sete e 12 dias e a pupação outros 10 dias até a mosca adulta emergir. As fêmeas das espécies predadoras têm uma fertilidade que lhes permite pôr 500 a 1 000 ovos durante a sua curta vida útil. As suas larvas podem consumir um afídeo a cada 5-8 segundos ou 300 a 500 em 11 dias. No entanto, as larvas de outras espécies têm regimes alimentares bastante diversos como tecidos vegetais vivos ou mortos, exsudações resinosas de árvores ou matérias orgânicas líquidas e pútridas. Os adultos de todas as espécies são florícolas, alimentando-se de néctar e pólen, mas também de meladas de afídeos e cochonilhas. São excelentes polinizadores, incansáveis na sua procura contínua por flores.

Recentemente, os autores deste texto participaram na publicação de um artigo científico, cujo conteúdo, rico em imagens, permitirá aos leitores ter uma ideia da variedade e do aspeto dos sirfídeos adultos de todas as espécies existentes na Madeira.

O artigo foi publicado na revista Biodiversity Data Journal e pode ser consultado/descarregado gratuitamente no seguinte endereço: https://bdj.pensoft.net/article/78518/.


António M. Franquinho Aguiar
Délia Cravo
Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural
Laboratório de Qualidade Agrícola

Comentar

Código de segurança
Atualizar

Este sítio utiliza cookies para facilitar a navegação e obter estatísticas de utilização. Pode consultar a nossa Política de Privacidade aqui.