1 1 1 1 1

A traça da batateira (Phtorimaea operculella)

tr batateira1A traça da batateira é, hoje em dia, uma das pragas que mais afe tam a cultura da batata, sendo considerada, logo aos o míldio, a sua maior inimiga.

A pressão da praga tem crescido nos últimos anos, levando em muitos casos à perda quase total da produção.

No estado adulto, a traça é uma pequena borboleta com 10 a 15 mm de comprimento, com asas cinzentas, manchadas de castanho.

As larvas são brancas rosadas, com a cabeça castanha escura. Os ovos têm uma coloração branca, que escurece posteriormente; são lisos e globosos.

O seu desenvolvimento vê-se beneficiado quando as temperaturas são mais altas, nos 25ºC, mas os ataques podem realizar-se a partir dos 10ºC.

Os períodos secos também são favoráveis, pois são vantajosos para a reprodução, propagando-se em ciclos de 20-30 dias/geração, ocorrendo até 12 gerações/ano
As fêmeas têm hábitos crepusculares e pequena longevidade. Durante o dia escondem-se junto ao solo e na face inferior das folhas da batateira. Estas fazem a postura nas folhas e nos "olhos" dos tubérculos situados mais à superfície.

tr batateira2Cada fêmea põe, em média, cerca de 200 ovos durante o seu ciclo de vida, distribuídos em várias posturas.

As larvas surgem cerca de 8 dias depois da postura, penetram na pele e polpa do tubérculo. Quando completam o seu desenvolvimento larvar (15 a 20 dias), abandonam as galerias, para pupar no solo.

A duração deste estado é de 10 a 30 dias. Se as condições forem mais quentes (como acontece nos armazéns), o ciclo repete-se durante o Inverno. Em condições mais frias (como no campo), a traça hiberna sob a forma de pupa.

Os danos causados são de dois tipos:

Na cultura, a postura é feita sobre a rama da planta ou diretamente sobre os tubérculos, se estes se encontrarem mais superficialmente ou existirem fissuras no solo.

Após a eclosão, as larvas penetram na nervura principal das folhas e nos caules, cavando galerias, onde se desenvolvem. Ao atuarem ao nível dos cordões de transporte da seiva, impede a sua normal translocação, provocam o dessecamento das plantas.

 

 

tr batateira3Nos tubérculos, as larvas resultantes da postura dos ovos sobre estes vão penetrar na epiderme , originando galerias, que causam prejuízos diretos (pela desvalorização comercial das batatas atacadas) e indiretos (são uma porta aberta ao ataque de diversas doenças da batata). Os principais problemas ocorrem em armazém, sendo um fator importante para o abaixamento do rendimento da cultura.

Esta é uma praga de difícil controlo. Como sempre, nestes casos, a adoção de medidas preventivas, quer no campo, quer nos armazéns, são fundamentais para baixar a importância dos ataques. Destas, destacamos:

  • Preparação do solo: a preparação do solo de forma adequada é de extrema importância. Tal deve ser feito em condições de humidade adequadas, devendo-se evitar a formação de "torrões", que servem de refúgio à praga.

  • Escolha da variedade: deve-se optar por variedades de ciclo mais curto, antecipando-se a colheita, que assim poderá ser feita em condições menos quentes, quando a praga não tem um desenvolvimento e propagação elevada. As variedades com tuberização mais profunda também devem ser as eleitas. Se bem que esta medida possa ser passível de realizar, o mesmo não acontece na escolha das variedades, pois estão mais ou menos estabilizadas, pela preferência dos consumidores.

  • Plantação: tal como está implícito no ponto anterior, esta operação deveria ser realizada colocando os tubérculos semente o mais fundos possível. Uma plantação mais superficial leva a que os tubérculos fiquem situados mais à superfície, ou seja, mais expostos à postura dos insetos adultos.

  • Amontoa: esta é uma operação que deve ser muito bem feita, pois pode funcionar como uma barreira à ação dos insectos.

  • Rega: dever-se-á tentar sempre manter um certo teor de humidade no solo, não o deixando secar e aquecer (condições ótimas para o ataque e desenvolvimento da praga).

  • tr batateira4Tratamentos inseticidas: a praga deve ser seguida, mesmo ao nível do campo. Para tal, aconselha-se a utilização de armadilhas, que possibilitam a observação da evolução da presença de adultos.

  • Colheita: O atraso da colheita, ou seja quando feita após a dessecação da rama, propicia um maior ataque das larvas (as condições de calor são mais favoráveis ao desenvolvimento da praga). Assim, aconselha-se a sua antecipação, usando produtos específicos para secar a rama, deixando-se a batata mais alguns dias no solo após este tratamento, para o seu encascamento.

No armazenamento, os armazéns devem ser muito bem limpos e desinfetados antes da colocação da produção.

Devem ser utilizados inseticidas específicos sobre as batatas armazenadas, de modo a destruir as larvas provenientes dos ovos de posturas no campo.

Existem produtos no mercado para o controlo da praga, como é o caso da deltametrina em pó polvilhável, a 0,1%. Este deve ser espalhado sobre a batata armazenada, numa dose de 750g/1000 kg de batata.

A captura de machos adultos também parece ser uma boa opção. Tal pode ser feito recorrendo a armadilhas e a feromonas sexuais.

É contra indicada a pulverização direta dos tubérculos armazenados com caldas contendo inseticidas não autorizados para o combate à praga, pelas consequências que tal ato pode acarretar para a saúde humana e animal.

 

Ricardo Costa
Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

Comentários  

# Ana Catarina F. S. Durão 13-03-2015 17:18
Boa Tarde caros colegas,

Gostaria de saber, se possível, se relativamente ao combate à traça da batata os agricultores têm queixas de ineficiência da Deltametrina (homologada para armazém). Coloco esta pergunta porque aqui nos açores nos parece que a traça desenvolveu resistências a esta substância ativa, consistindo num problema sério nos últimos anos para os agricultores que não têm armazenamento em frio. Sou colega da Direção de Serviços de Agricultura dos Açores e estamos a estudar possíveis alternativas de controlo da praga em armazém. Agradeço a vossa resposta,
Com os melhores cumprimentos,

Ana Catarina Durão
Responder | Responder com citação | Citar
# DRADR 07-05-2015 14:12
Boa tarde.

O único produto homologado para o combate à traça da batata é, como referido, baseado na Deltametrina, o qual tem sido utilizado sem problemas de maior na RAM.

Com os melhores cumprimentos,
a Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural.
Responder | Responder com citação | Citar

Comentar

Código de segurança
Atualizar