1 1 1 1 1

figC1O míldio do tomateiro é causado pelo fungo Phytophthora infestans. Pode-se observar sintomas da doença nas folhas, caules e frutos.

Na página superior das folhas surgem manchas descoradas e translúcidas, que acabam por secar, e na página inferior um enfeltrado de cor branca (Fig. 1).

Nos caules, os sintomas verificam-se a partir da base dos pecíolos foliares e caraterizam-se por lesões pardas, longitudinais e transversais que acabam por ficar cobertas de um micélio pulverulento (Fig. 2). Estas lesões acabam por provocar a morte da parte superior da planta.

Nos frutos, em qualquer ponto mas em particular em redor do cálice, forma-se manchas cinzentas, em depressão de contornos sinuosos e de superfície ligeiramente áspera. Com o evoluir da doença, sobre as manchas já referidas, surge um enfeltrado branco (Fig. 3).

Para o controlo desta doença no decorrer da cultura, é aconselhável vigiar com frequência as plantas, evitar fertilizações desequilibradas, promover o arejamento da cultura, evitando a formação de película de água à superfície das folhas, controlar as infestantes, pois são hospedeiros alternativos do fungo, e limpar todos os órgãos atacados desde o início do aparecimento dos primeiros sintomas.

Em estufa, nos dias mais quentes, e para diminuir a humidade relativa do ar, é necessário arejar bem.

No fim da cultura, eliminar todos os detritos, para evitar contaminações nas futuras plantações.

O recurso à luta química é indispensável: efetuar tratamentos desde o aparecimento dos sintomas da doença ou em presença de condições favoráveis ao desenvolvimento do fungo, tais como, humidade relativa do ar superior a 90% e temperaturas entre 10ºC e 25ºC. As noites frias, seguidas de dias moderadamente quentes com elevada humidade, favorecem igualmente a expansão deste parasita.

No nosso país existe uma vasta gama de substâncias ativas para o combate do míldio do tomateiro, as quais podem ser consultadas no sítio da Internet da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), em www.dgav.pt.

 

Sintomas do míldio do tomateiro:

 

fig1

fig2

figC1

Fig. 1 - folhas com o enfeltrado branco 

do fungo e manchas castanhas

irregulares

Fig. 2 - caules de tomateiro com

lesões pardas, longitudinais

e transversais comuns ao micélio pulvurento

Fig. 3 - tomate apresentando manchas

castanhas e em depressão com

o enfeltrado branco

(Nota: fotos retiradas da Internet)

Duarte Sardinha

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar