1 1 1 1 1 Pontuação 5.00 (1 Votos)

Pitaia, a fruta do dragão! (Parte II)

A produção da pitaia na Região pode ser mais uma fonte de diversidade na exploração agrícola. São plantas com grande potencial de produção, pois agregam rusticidade intrínseca à beleza e doçura dos frutos. Todas as partes aéreas da planta podem ser consumidas, desde os frutos, flores e até mesmo os cladódios. Por isso, sabendo das suas potencialidades, importa divulgar um pouco a morfologia desta planta exótica.

A pitaia é uma cactácea trepadora. No solo, o sistema radicular é constituído por raízes adventícias compridas, delgadas e ramificadas, que se distribuem superficialmente no solo, mas podem atingir os 15 cm de profundidade. A pitaia também desenvolve raízes de sustentação, que aparecem ao longo dos cladódios e que servem para fixar estas estruturas ao tutor e absorver água e nutrientes.

pitaia parte II figura1
Figura 1 – (A) Planta de pitaia; (B) Cladódio; (C) Flor e (D) Fruto.
Fonte: Boletim Técnico - Cultivo da pitaia: Implantação

Os cladódios da pitaia são carnudos, suculentos e de tamanho e cor variáveis. Geralmente, apresentam forma triangular. A margem das arestas pode ser plana, convexa ou côncava, de acordo com a espécie e com as condições ambientais. Nas arestas, podemos encontrar as aréolas, pontos onde estão localizados os gomos, e que estão protegidas por pequenos espinhos. A cor e o número dos espinhos são variáveis com a espécie.

As pitaias apresentam flores hermafroditas, grandes, aromáticas e brancas, com numerosos estames, arranjados em duas fileiras ao redor do pistilo. De modo geral, o estigma é mais elevado que as anteras. O pólen é de cor amarela e abundante. A coloração das sépalas é variável com a espécie, podendo ser esverdeada ou apresentar os ápices avermelhados. A abertura das flores tubulares ocorre ao final do dia e só uma vez. No que diz respeito à polinização, em algumas variedades de pitaias as flores são autoincompatíveis, necessitando de outras flores de pitaia para que ocorra a polinização cruzada. Contudo, na pitaia amarela (Selenicerieus megalanthus) verifica-se a autopolinização.

O fruto da pitaia é uma baga de tamanho médio e formato variável, cuja massa varia entre os 200 gramas e 1 kg. A casca apresenta escamas foliares e a sua cor, de acordo com a variedade, pode exibir várias tonalidades, desde o amarelo até ao vermelho púrpura.

O fruto é verde antes de amadurecer. Na etapa de maturação de algumas variedades, a casca e a polpa mudam de cor, enquanto que em outras, a casca torna-se amarela e polpa branca. A pitaia amarela (S. megalanthus) possui espinhos nos frutos que são facilmente removidos quando a fruta amadurece. A polpa pode ser de cor branca ou vermelha. As sementes são de pequeno tamanho e encontram-se distribuídas pela polpa. Durante o seu desenvolvimento, as sementes são castanhas, adquirindo uma cor preta lustrosa aquando do seu amadurecimento.

pitaia parte II figura2
Figura 2 – Partes do fruto de pitaia
Fonte: Boletim Técnico - Cultivo da pitaia: Implantação
 

Os frutos da pitaia não são climatéricos, por isso, devem ser colhidos em altura própria. Na prática, o amadurecimento fisiológico do fruto pode ser determinado quando a casca da fruta perde o brilho e mostra-se suave quando pressionada manualmente.

Excetuando as raízes, todas as partes da pitaia podem ser aproveitadas pelo Homem. Contudo, as formas de uso e de utilização são muito variadas. O quadro seguinte (Quadro 1) mostra essas formas de uso e de utilização das diferentes partes da pitaia.

pitaia parte II quadro1
Quadro 1 – Diferentes usos e utilizações da pitaia
Fonte: Manual técnico buenas practicas de cultivo en pitahaya

Em relação ao conteúdo nutricional, a pitaia é constituída por 85% a 87% de água. A quantidade de açúcar pode oscilar entre os 10 gr os 19 gr de açúcar da sacarose por 100 gramas de polpa, sendo a pitaia amarela a mais doce. O Quadro 2 mostra-nos o conteúdo nutricional de diferentes variedades de pitaia num estudo efetuado na Nicarágua, no ano 2000.

pitaia parte II quadro2
Quadro 2 – Conteúdo nutricional em frutos de diferentes
Fonte: Manual técnico buenas practicas de cultivo en pitahaya

Em pitaias produzidas no Centro de Fruticultura Subtropical e sujeitas a análise para medição da quantidade de sólidos solúveis, foram obtidos resultados semelhantes aos referidos no quadro anterior. Das amostras analisadas, a constituída por pitaia de casca rosa com polpa branca registou 10 ºBrix, enquanto que a pitaia de casca rosa com polpa vermelha registou 13 ºBrix.

Face a estes resultados preliminares, importa dar continuidade ao trabalho de experimentação delineado para a cultura da pitaia, de modo a conhecer o valor nutricional das diferentes variedades de pitaia instaladas no Centro de Fruticultura Subtropical e identificar as que possuem melhores características organoléticas.

Bibliografia consultada

Cultivo da pitaia: implantação (2012) - Boletim Técnico n.º 92, Departamento de Agricultura, Universidade Federal de Lavras;

Manual técnico buenas practicas de cultivo en pitahaya (2000) - Organismo Internacional Regional de Sanidade Agropecuária, Nicarágua;

Pitaya: Melhoramento e produção de mudas (2014) - Silva, A. – Universidade Estadual Paulista.

Para ler a primeira parte deste texto, clique aqui.

Márcia Melim
Divisão de Agricultura Especializada
Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura
Direção Regional de Agricultura

 

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar