1 1 1 1 1 Pontuação 1.00 (1 Votos)
cereja variedaderegional
Variedade Regional
cereja variedadegrada
Variedade Grada

A cerejeira (Prunus avium L.) é uma árvore da família Rosaceae. Crê-se que tem origem na região compreendida entre o Mar Negro e o Mar Cáspio.
Ocupando uma área de 63ha e com uma produção de 232ton (dados de 2011), a cultura da cerejeira tem lugar em três principais localidades da Região: Jardim da Serra, Serra de Água e Curral das Freiras.

No entanto, no Elucidário Madeirense (ed. de 1965), esta cultura é referenciada também na Ponta do Pargo, o que pode indicar alguma potencialidade da cultura nesta freguesia.

As variedades mais comuns são as precoces "Regionais" e "Norberto" e as tardias "Van", "Grada" e "De Lisboa". Os porta-enxertos recomendados são a Cerejeira brava e a Ginjeira (Prunus cerasus L.).

A cerejeira é uma planta que necessita de frio para quebra de dormência (mais de 700 horas abaixo dos 7,2º, exigência variável com a variedade) e por esta razão só encontra condições climáticas favoráveis acima dos 500m na costa sul e dos 350m na costa norte. As variedades regionais são um pouco menos exigentes em frio mas zonas com nevoeiros e com fortes ventos na floração e frutificação devem ser evitadas.

A época de plantação recomendada é de janeiro a finais de fevereiro, sendo importante que as plantas estejam no terreno um mês antes do abrolhamento.

É uma planta que exige solos com boa drenagem sendo o pH mais favorável entre 6,0 a 7,5.

O compasso de plantação recomendado é 4m na linha e 4m na entrelinha. É muito importante deixar a zona do colo livre de ervas e de terra.

As fertilizações e correções devem ser efetuadas consoante as recomendações da análise de solos.

Algumas variedades são auto-incompatíveis e requerem, por cada 8 a 9 árvores, uma polinizadora que floresça na mesma época.

Na época da floração é importante a presença de colmeias (5 colmeias/ ha) para favorecer uma boa polinização.

A poda de formação é realizada nos primeiros três anos para estruturar a árvore, efectuando-se a desponta quando o ramo principal atingir 30 a 40cm de comprimento. Esta poda deve ser realizada em verde (a cicatrização dos tecidos é melhor do que na época de repouso outono-inverno), nos meses de maio a junho.

A poda de frutificação realiza-se quando a árvore entra em produção, tendo como objetivo a supressão de ramos mal inseridos e de ensombramento, realizando-se nos mesmos meses e pelas mesmas razões. Se for necessário efetuar esta poda no inverno há que realizá-la no mês de março, seguida de uma pulverização com calda bordalesa.

É importante regar as árvores após a plantação e ao longo do ano, sempre que necessário.

A mosca da fruta e a lesminha preta (Caliroa cerasis) são as pragas mais comuns e a moniliose, as podridões e o crivado as doenças mais comuns, sendo a colocação de garrafas mosqueiras no pomar e a aplicação de calda bordalesa são as indicações para o controlo destes problemas fitopatológicos.

O rachamento dos frutos pode surgir quando ocorrem precipitações na época de colheita. Uma das causas é a rápida absorção da água das chuvas na superfície dos frutos.

A época de colheita ocorre de maio a junho. Para que cumpram as caraterísticas mínimas, as cerejas devem estar inteiras, com aspeto fresco e são e apresentando-se firmes (em função da variedade), limpas, praticamente isentas de materiais estranhos visíveis e de parasitas. Devem ainda estar desprovidas de humidade exterior anormal, isentas de cheiro ou sabor estranhos e têm de ter o seu pedúnculo ou pé.

O desenvolvimento e o estado das cerejas devem permitir que estas suportem o transporte e a manipulação e que se conservem em boas condições até ao lugar de destino.

De referir que no anexo I do regulamento (CEE) n.º 899/88 encontram-se as normas de qualidade das cerejas, as quais afetam as variedades obtidas de Prunus avium L. (cerejeira), de Prunus cerasus L. (ginjeira) ou dos seus híbridos.

cereja podridaofrutos cereja rachamentofisiologico
Podridão dos Frutos Rachamento Fisiológico dos Frutos

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

Maria da Graça C. Freitas Aguiar

Questões  

# José Pereira 31-05-2015 10:59
Tenho 8 "cerejeiras" no quintal, mas que não produzem; cobrem-se de flôr, algumas vingam, mas os frutos com o tamanho de um bago de chumbo caem. Será falta de uma ginjeira? Será que devo tentar enchertar uma pernada com ginjeira? Qual a variedade de cerejeira que me recomenda para climas menos frios? E já agora qual a variedade de ginjeira que tambem me recomenda para esta situação? Obrigado
Responder | Responder com citação | Citar
# DRADR 23-06-2015 14:50
Boa tarde.

É difícil e pouco preciso elaborar um diagnóstico apenas com a breve descrição que é feita.
Assim, caso seja residente na Região Autónoma da Madeira, poderá entrar em contacto com a Divisão de Assistência Técnica e Mecanização Agrícola da Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, através do telefone 291 211 260 ou do telemóvel 963 820 356, para um diagnóstico mais preciso.

Com os melhores cumprimentos,
a Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural.
Responder | Responder com citação | Citar
# Ruben 25-06-2015 19:47
Olá boa tarde alguém me sabe dizer onde posso comprar árvore cereja?minha mãe está à procura mais não sabe onde comprar.tambem será que no faial ela dá frutos?
Responder | Responder com citação | Citar
# Direção Regional de Agricultura 15-09-2015 13:14
Boa tarde.

A cerejeira terá desenvolvimento vegetativo no Faial mas, devido à falta de frio, muito dificilmente dará frutos. Se der, estes serão em muito reduzida quantidade.

Será, então, melhor optar por outra espécie, a exemplo da anoneira, do abacateiro ou da nespereira, se o terreno estiver localizado numa zona mais baixa, ou da
macieira, da pereira ou do limoeiro, se estiver a maior altitude.

Com os melhores cumprimentos,
a Direção Regional de Agricultura.
Responder | Responder com citação | Citar

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar