1 1 1 1 1 Pontuação 5.00 (1 Votos)

Controlo do gorgulho da bananeira com recurso a armadilhas e produtos químicos

O gorgulho da bananeira Cosmopolites sordidus (Germar, 1824) (Coleoptera: Dryophthoridae) é um inseto que infesta e danifica seriamente as bananeiras, sendo as perdas de produção provocadas pela sua ação elevadas se não for controlado. É a partir da primavera, com a subida da temperatura, que a sua atividade aumenta, nomeadamente na colocação de ovos e num desenvolvimento do ciclo de vida mais rápido, podendo a população aumentar de forma quase exponencial em poucos meses.

Os sintomas exteriores na planta são folhas com amarelecimento, posterior necrose e finalmente morte da planta, fraco desenvolvimento da planta e frutos pouco cheios (cachos mais pequenos).

Devido à atividade noturna dos adultos e à localização das larvas no interior da planta, a presença do inseto na plantação pode passar despercebida até atingir níveis de infestação elevados.

Ao cortar o pseudotronco ao nível do rizoma pode observar-se galerias escavadas pelas larvas e uma massa escura correspondente a tecidos vegetais em decomposição.

  Figura 1 gorgulho
Figura 1 – Galerias escavadas pela larva do
C. sordidus no pseudotronco da bananeira

Nos danos causados por C. sordidus podemos distinguir duas categorias:

- Danos diretos: provocados pelas larvas que, ao se alimentarem, destroem tecidos e vasos, dificultando a circulação da seiva. Como consequência reduz-se o desenvolvimento da planta e o tamanho do cacho. Esta enfraquece e facilmente quebra com o vento, diminuindo a produção. Em infestações graves, a diminuição do rendimento da colheita pode ser de 50%.

- Danos indiretos: as galerias e orifícios na planta causados por C. sordidus nos diferentes estádios (larvas e posturas dos adultos) servem de porta de entrada a microorganismos patogénicos (fungos, bactérias, etc.).

Medidas de Controlo

Medidas Culturais

- utilizar material livre do inseto ao efetuar novas plantações;

- cortar todos os restos de bananeira para que se decomponham rapidamente;

- manter as zonas adjacente à planta limpas de detritos vegetais;

- colocar armadilhas junto às plantas e recolher semanalmente os adultos capturados e;

- remover da plantação as socas “avós”, que constituem abrigos para os insectos.

Controlo Químico

A aplicação de inseticida devidamente autorizado para o efeito no interior da soca velha, perto da base do pseudotronco da bananeira cujo cacho foi cortado, permite alcançar as larvas e adultos ainda em desenvolvimento na soca velha e no pseudotronco.

Figura 2 gorgulho Figura 3 gorgulho
Figuras 2 e 3

Só conciliando esta ação com o controlo efetuado sobre os adultos livres, através da sua captura em armadilhas, é que se consegue reduzir de forma efetiva esta praga.

Estas duas formas de controlo, conjuntas e aplicadas de forma continuada, irão reduzir o efetivo populacional da praga e, consequentemente, os estragos por ela causados, com reflexos positivos na produção de banana da exploração.

 
  Figura 4 gorgulho
Figura 4

As armadilhas a utilizar podem ser adquiridas, como no exemplo da Figura 4, ou “fabricadas” a partir de pseudotroncos de bananeiras que já se tenha colhido o cacho (Figura 5).

A desvantagem das armadilhas de pseudotronco são a sua menor duração (cerca de 15 dias), a mão-de-obra necessária para a sua execução e a recolha frequente dos insetos nas mesmas e a sua remoção do bananal quando perdem totalmente a atratividade, pois no seu interior alojam-se muitas vezes gorgulhos.

A armadilha com feromona pode ser verificada de 15 em 15 dias, pois os insetos não saem do seu interior. Se verificar que não capturou cinco insetos por semana, desloque a armadilha para outro local.

  Figura 5 gorgulho1
Figura 5

A utilização das armadilhas com feromona deve obedecer aos seguintes critérios:

- 16 armadilhas por hectare e ;

- não colocar as armadilhas nas zonas limites da parcela, onde estão mais sujeitas ao sol direto (reduzindo a duração do atractivo) e porque o gorgulho prefere zonas sombrias.

À excepção do controlo químico, as técnicas descritas podem ser utilizadas em Modo de Produção Biológico.

 

Bruno Silveira
Divisão de Experimentação e Melhoria Agrícola – Centro de Bananicultura
Direção Regional de Agricultura

Referências Bibliográficas

Borges, A.V. Borges; Abreu, Cristina; Aguiar, António M.F.; Carvalho, Palmira; Jardim, Roberto; Melo, Irineia; Oliveira, Paulo; Sérgio, Cecília; Serrano, Artur R.M.; Vieira, Paulo; Listagem dos fungos, flora e fauna terrestres do Arquipélagos da Madeira e Selvagens, Junho 2008, Iniciativa Comunitária Interreg III B 2000-2006, distribuído por Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais.

Azevedo, A.; Silveira, B; (2014) Estudo comparativo de três insecticidas para controlo do gorgulho da bananeira (Cosmopolites sordidus) Relatório de Ensaio, Divisão de Assistência Técnica e Mecanização Agrícola / Divisão de Fruticultura, DSAT – DRADR.

Gold, C. S. & Messiaen, S. (2000). The banana weevil Cosmopolites sordidus. Musa Pest Fact Sheet No. 4, Inibap, France.

Schmidt, C. T. (1965). O gorgulho da bananeira em São Tomé. Est. Agron. (Lisboa), 6 (3):97-103.

Silveira, B. (2009). Ensaio comparativo de 3 difusores específicos para o controlo do gorgulho (Cosmopolites sordidus) na cultura da bananeira (Musa acuminata Colla), Relatório de ensaio, Divisão de Fruticultura – DSPSV – DRADR.

Smith, I. R. (1982). Enfermadades, Plagas y Malezas de los cultivos Tropicales. Ed. J. Kranz, H. Schumutter y W. Koch. Verlang Paul Parey. 438-442 (cit. García & Morales, s. d.).

 

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar