1 1 1 1 1

A colheita e pós-colheita de helicónias

caribaea richmond redDando continuidade aos temas abordados na última edição do DICA, sobre a plantação e as principais operações culturais nas helicónias, refere-se agora os cuidados na colheita e pós-colheita.

As hastes florais das helicónias devem ser colhidas quando apresentam 2 a 5 brácteas abertas.

O comprimento das hastes varia conforme as espécies: as helicónias grandes e as pendentes têm um comprimento entre os 90 e os 120cm; as helicónias medianas entre os 50 e os 90cm; e as helicónias pequenas entre os 40 e os 60cm.

As hastes são cortadas na base das plantas, com um corte em diagonal e deixando pelo menos 10 a 15cm do pseudocaule.

A colheita das hastes florais das helicónias deve ser feita nas horas de menor calor, no início da manhã ou no final da tarde, devendo o transporte das flores do campo para o armazém ser feito o mais depressa possível, de forma a evitar a desidratação das hastes.

As folhas da haste são retiradas, mas os pecíolos das duas folhas mais próximas da inflorescência devem ser mantidos com um comprimento de cerca de 10cm acima da inflorescência, com o objectivo de proteger as pontas das brácteas dos impactos laterais da caixa durante o transporte.

 

dwarf jamaicanQuando as hastes chegam ao armazém devem ser imediatamente imersas em água para esfriarem ou colocadas em recipientes com água.

Para evitar a presença de insetos no interior das brácteas é efectuada a sua limpeza, limpeza essa que pode ser feita por imersão numa solução com detergente durante alguns minutos ou utilizando uma esponja macia.

Após a lavagem das hastes, as as flores que se encontram no seu interior são retiradas com cuidado, utilizando uma tesoura sem ponta ou um formão.

O excesso de água acumulado dentro das brácteas deve ser retirado e as hastes colocadas na posição vertical em baldes com água até ao momento do embalamento.

O uso de soluções conservantes não é eficaz nas helicónias, pois a absorção de água é mínima. No entanto, recomenda-se que, antes do embalamento, sejam cortadas as extremidades das hastes e submersas em recipientes com água e lixívia a 0,2%, que atua como batericida.

A temperatura de conservação varia com as espécies mas, por serem plantas tropicais, essa temperatura nunca deverá ser inferior a 12ºC.

 

Maria João Dragovic
Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar