1 1 1 1 1 Pontuação 5.00 (13 Votos)

As orquídeas: entre a seleção natural e o quase irreal

orquideas2
Masdevallia regina
orquideas4
Epidendrum secundum

É certo que o imaginário do Homem é bafejado pelo termo “orquídea” há já vários séculos e, juntamente com isso, uma série de expedições e aventuras incríveis, por vezes perigosas, para as conhecer e recolher.

Por orquídea, definimos qualquer planta que pertença à família das Orchidacae e, logicamente, isso acarreta uma série de requisitos. Ao contrário de muitas outras flores, a exemplo das gerberas, a flor de uma orquídea é somente e apenas divisível simetricamente num eixo que atravesse verticalmente o meio da flor.

Além disso, fundidas, recuadas ou modificadas, possuem sempre três pétalas, uma delas normalmente distinta e chamada de labelo, três sépalas e a coluna que alberga, na mesma estrutura física, o órgão reprodutor masculino e feminino.

Enquanto a maioria das espécies ornamentais de orquídeas são, indubitavelmente, epífitas, significando isso que crescem nas árvores, não como parasitas mas numa base de suporte e proximidade da luz, existem outras ainda que vivem como litóficas (sobre as rochas) ou então terrestres. Por vezes, estes limites fundem-se, especialmente quando viajamos para regiões de altitude, dificultando a abordagem de cultivo à orquídea em questão.

Com um metabolismo, grosso modo, muito lento, levando ao extraordinário tempo que demoram a florir desde semente, podendo chegar a mais de uma década, explicando, isso e em parte, os preços que possuem, a reprodução natural das orquídeas é um processo intricado, uma batalha do “sexo” que desencadeou uma enorme variedade diferente de orquídeas.

 
orquideas1
Coelogyne cristata
orquideas3
Pleione 'Tongariro'

Existem, essencialmente, quatro métodos de atração do agente polinizador, quase sempre um inseto. São eles: a forma, a cor e aroma, o aroma e ainda o néctar. O néctar assume-se como um fator à parte porque, curiosa e contrariamente à maioria das outras flores, as orquídeas raramente produzem néctar, ludibriando os seus polinizadores nas mais inimagináveis formas.

Relativamente ao seu crescimento, dividem-se entre monopodiais e simpodiais. Por monopodial, e como o nome indica, “mono” refere-se à singularidade. Assim, o desenvolvimento da planta dá-se no mesmo “pé” como, por exemplo, as Phalaenopsis. Isto não quer dizer que a planta não produza outros rebentos laterais, mas possuirá, sim, o poder de se manter em crescimento no mesmo elemento vegetal. Por outro lado, as simpodiais, como os Cymbidium, limitam o seu crescimento num pseudobulbo, sendo esse que, seguidamente, originará outro e assim sequencialmente.

A variedade existente é infindável com plantas em todos os continentes, excetuando a Antártida, possuindo flores de míseros milímetros até exemplares com florações que chegam aos 25cm de diâmetro.

Como todas as plantas, luz, água, substrato, ventilação e adubação são elementos fulcrais que definem, segundo a orquídea em questão, o local e a forma do seu cultivo, evitando assim fungos, vírus e ataques parasíticos às plantas, muitas delas de elevado valor comercial.

As possibilidades das orquídeas são muitas, sejam elas no campo ornamental ou alimentar. O género Vanilla, orquídeas tropicais que crescem como trepadeiras, é a fonte das vagens de baunilha que compramos no supermercado, sendo elas, de facto, cápsulas (de sementes) secas das flores deste género botânico.

Com um enorme potencial para o cultivo desta família, a Madeira possui um nicho interessante e um depósito de exemplares raros, trazidos pelos navegadores a caminho da Europa, que merece a nossa atenção, ajudando aqueles que as adoram a melhorar o seu cultivo e manutenção.


Pedro Spínola

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar