1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal ao seu dispor!

apuramentos meteorologicos 24a30 setembro (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

Segundo os apuramentos meteorológicos de 22 a 28 de outubro (ver quadro), verificaram-se poucas alterações nas condições do estado do tempo, relativamente à semana anterior, ou seja, temperaturas a baixar gradualmente, alguma nebulosidade e pouca precipitação.

As regas como consequência do aumento verificado da precipitação, ainda que insuficiente, devem ser mantidas. Ver no quadro, os indicadores da Precipitação (P) e Evapotranspiração potencial (ETP) que indiciam claramente a possibilidade de começar a reduzir gradualmente as regas. As regas a serem realizadas, deverão ser, apenas e só, de acordo com as necessidades das culturas.

Segundo as previsões para a próxima semana, haverá aumento da nebulosidade, acompanhada de alguma precipitação na costa norte, mas ainda insuficiente, para que se deixe de lado, as regas.

Nos locais em que os valores registados da precipitação (P) sejam superiores aos da Evapotranspiração potencial (ETP), ver quadro, poderemos reduzir a frequência das regas, como já referido anteriormente.

A propósito da XXXVI Festa da Castanha, no Curral das Freiras, que se irá realizar, nos próximos dias 31 de outubro e 1 de novembro, uma chamada de atenção, aos agricultores, produtores de castanhas, para a existência de uma praga economicamente importante.

Vespa das Galhas do Castanheiro (Driocosmus kuriphilus)

castanheiro vespa galhas

A “vespa” ataca os órgãos verdes de árvores do género Castanea (exceto frutos), induzindo a formação de galhas nos gomos e folhas, provocando a redução do crescimento dos ramos e da frutificação, e assim diminuindo drasticamente a produção e a qualidade da castanha e, em situação extrema, podendo mesmo conduzir à morte dos castanheiros.

castanheiro sintomas vespa galhas É de referir que para o controlo da praga da Vespa-das-galhas-do castanheiro, a Secretaria Regional de Agricultura e Pescas, em maio de 2017, iniciou um programa de luta biológica com o recurso (a exemplo de todas as principais regiões produtoras europeias, incluindo Portugal continental) ao lançamento do parasitóide Torymus sinensis. De todos os parasitóides da “vespa”, o Torymus é o que mostra maior especificidade em relação a este hospedeiro e sincronismo com o seu ciclo de vida, fatores essenciais para um agente de controlo biológico ser bem-sucedido. De forma muito simplificada, o Torymus é um inseto diminuto que apenas põe ovos no interior das galhas do castanheiro onde se encontra a “vespa”. Desse ovo nasce a larva que se alimenta da praga matando-a, ocorrendo todo o processo no interior das galhas dos ramos dos castanheiros.

 

previsoes meteorologicas 02a10 outubro (NOTA)

castanheiro largada parasitoides A exemplo de 2017, a SRAP, em 2018, voltou a adquirir, 15.200 parasitóides (9.600 fêmeas e 5.600 machos), num investimento que já atingiu os 33.000,00 €, tendo procedido, uma vez mais, só no concelho de Câmara de Lobos, com enfoque nas freguesias do Curral das Freiras e do Jardim da Serra, a 47 “lançamentos inoculativos” (correspondendo cada “largada” a 120 fêmeas e 70 machos) com 8.740 parasitoides.

No entanto, embora os resultados desta luta biotécnica sejam a 3/6 anos, a verdade é que, já neste ano (2018), se constata uma redução da incidência da praga, já em 2018, quando, pois a produção aumentou de cerca de 1 ton, passando das anteriores 89 toneladas para 90 toneladas (+1,1%).

Já no que se refere a 2019, as perspectivas são, ainda mais, animadoras, pois prevê-se um aumento de produção que pode chegar a 10-15%, relativamente a 2018, ou seja, admite-se uma produção geral que poderá estar entre as 99 e as 103 toneladas.

Luta quimica

A aplicação de inseticidas é absolutamente ineficaz, razão pela qual não está autorizado, em Portugal, qualquer inseticida contra esta praga. Assim, a venda e aplicação de inseticidas ou de outros produtos similares, com suposta ação contra a vespa das galhas do castanheiro, é também ilegal.

O controlo da vespa das galhas do castanheiro tem única e somente um modo de luta autorizado, a luta biológica, que é realizada exclusivamente através da introdução de um inseto parasitóide específico, o Torymus sinensis, como já referido.

Nos locais onde foram feitas largadas do parasitoide Torymus sinensis e nas proximidades, não deve cortar ramos nem galhas, nem aplicar qualquer inseticida.

A introdução e fixação na região do parasitoide Torymus sinensis é a única possibilidade de controlo da vespa das galhas do castanheiro.

A fixação deste parasitoide é difícil, sobretudo no primeiro ano. No entanto, se puder desenvolver-se em boas condições, poderá dispersar- se, anualmente, até 4 km do local das largadas, colonizando o território e controlando, a médio prazo, a vespa das galhas.

Apoio Técnico da SRAP/DRA

Os serviços competentes da Direção Regional de Agricultura têm, desde há muito, colaborado com os agricultores em diversas vertentes, seja no fornecimento de plantas certificadas vendidas e/ou cedidas e em enxertias efetuadas, o que, sempre, se revelou um sucesso. Porém, com a aparição da praga denominada de “vespa” as ações de colaboração dos Serviços Oficiais para com os produtores centraram-se mais no combate à praga e na divulgação das ações a serem implementadas e menos na expansão da cultura, que poderia acarretar uma maior área de ataque, com as consequências que daí poderiam advir para a espécie.

Voltamos a lembrar, que os Serviços da DRA dispersaram cerca de 15.200 parasitóides específicos para o combate à “vespa”, que, com certeza, continuarão a ter os resultados esperados (diminuição da incidência da praga, em primeiro lugar, e promoção da produção de frutos secos regional, em segundo).

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento, deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura /DSDA
Divisão de Assistência Técnica à Agricultura /DATA
Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telef.: 291 211 260

Comentar

Código de segurança
Atualizar