1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal!

apuramentos meteorologicos (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

Segundo os apuramentos meteorológicos de 26 de dezembro a 1 de janeiro (ver quadro), verificaram-se significativas melhorias do estado do tempo relativamente à semana anterior, permitindo a realização de forma segura, da grande maioria das operações culturais, mas por outro lado, os níveis precipitação baixaram muito.

Relativamente às regas, há que continuar a regar, de acordo com as necessidades hídricas das culturas, em particular na costa sul onde os níveis de precipitação não foram os suficientes. Ver no quadro, os indicadores da Precipitação (P) e Evapotranspiração potencial (ETP), que indiciam claramente essa realidade.

A previsão do estado do tempo para os próximos dias (até 11 de janeiro), com algumas alterações, ou seja, reserva-nos, na costa sul, alguma nebulosidade e pouca precipitação, mas a norte, o IPMA prevê além de muita nebulosidade, a possibilidade de a partir de sexta-feira, (dia 5 de janeiro) níveis de precipitação moderado a forte.

REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DE ÓLEO DE VERÃO

Apesar de ser designado por óleo de verão, é muito utilizado no inverno.

aplicacao oleo veraoO óleo de verão é um óleo mineral pertencente à família química dos hidrocarbonetos. A sua qualidade depende do grau de refinação. Quanto mais refinado, mais biodegradável é o óleo e mais segura é a sua aplicação.

 

previsoes meteorologicas (NOTA)

Quando é utilizado corretamente, o óleo de verão tem grandes vantagens. A sua utilização é fundamental em pragas como a lagarta mineira, os ácaros, os afídios e indispensável no tratamento das cochonilhas, em que a aderência do produto aos ramos, troncos, frutos e aos próprios insetos, é muito importante. Por outro lado, o óleo não afeta a maioria dos auxiliares - é neutro para os coccinelídeos (joaninhas - predadores de cochonilhas e afídios), himenópteros (abelhas e formigas), e crisopídeos (crisopas – predadores de afídios). Em relação aos ácaros fitoseídeos, é medianamente tóxico, pelo que, em doses baixas, parece não afetar estes auxiliares.

Como este produto atua essencialmente por asfixia sobre as pragas, pode prejudicar também a fotossíntese das plantas em determinadas situações, particularmente quando utilizado em doses elevadas (acima de 500 ml/hl).

Por isso, devem ser tomadas algumas precauções antes de usar o óleo de verão:

- Não o aplicar nas horas de maior calor, nem com muito frio (temperatura superior a 30 ºC ou inferior a 5 ºC);

- No verão, regar bem as árvores antes e depois da aplicação, caso a terra esteja seca;

- Evitar aplicar em árvores com carência de magnésio elevada (com atividade fotossintética fraca);

- Não aplicar caldas à base de enxofre (ex.: adubações foliares com sulfatos de magnésio, de potássio, etc.) nos 15 dias seguintes ao tratamento com óleo de verão. Por outro lado, não aplicar óleo de verão nos oito dias seguintes à aplicação de enxofre;

- As caldas à base de óleo devem ser bem agitadas com um misturador mecânico ou equivalente, não esquecendo que o óleo de verão deve ser o primeiro produto a entrar no pulverizador e só depois os outros, no caso de misturas.

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura /DSDA
Divisão de Assistência Técnica à Agricultura /DATA
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 
Telef.: 291 211 260

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar