1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal!

apuramentos meteorologicos (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

Segundo os apuramentos meteorológicos de 3 de outubro a 9 de outubro (ver quadro), verificaram-se dias de muito calor, conforme o previsto. Os valores da intensidade média do vento, a permitir, duma maneira geral, a realização de todas as operações culturais, em particular, a aplicação de produtos fitofarmacêuticos. Especial cuidado para não realizar estas aplicações nas horas mais quentes do dia.

Relativamente às regas há necessidade de efetuar regas, uma vez que praticamente não houve precipitação, de acordo com as necessidades hídricas das culturas. Ver no quadro, os indicadores da Precipitação (P) e Evapotranspiração potencial (ETP), que indiciam claramente essa realidade.

A previsão do estado do tempo para os próximos dias (até 19 de outubro), reserva-nos, na costa sul, alguma nebulosidade, podendo ocorrer chuviscos. A norte, o IPMA prevê a possibilidade de chuva fraca para quarta-feira e a partir do dia 15 até 19 do corrente mês, períodos de chuva forte.

Segundo estas previsões, ainda continuaremos a ter condições que permitem o desenvolvimento de atividades na exploração agrícola, nomeadamente, práticas culturais (podas e respetiva eliminação da madeira daí resultante, substituição periódica do atrativo nas garrafas mosqueira se for o caso, recolha e destruição de frutos caídos no solo, sachas e mondas, etc.) que resultam na diminuição dos focos das principais pragas e doenças evitando ou diminuindo consideravelmente uma aplicação sistemática de produtos fitofarmacêuticos.

Tratamentos Fitossanitários

Na aquisição dos produtos fitofarmacêuticos deve informar-se claramente das finalidades dos mesmos, assim como, quais as culturas para o qual está homologado, ou seja, para as quais está autorizada a sua aplicação. Não esquecer, que é uma obrigação, registar no caderno de campo, as utilizações dos produtos fitofarmacêuticos.

Respeite o Intervalo de Segurança (IS) que é o número de dias que decorre entre a última aplicação e a colheita. Consulte sempre o rótulo do produto fitofarmacêutico.

Sempre que possível deverá alternar o uso dos produtos fitofarmacêuticos, por outros com a mesma finalidade, por forma a não permitir condições para o aparecimento de resistências.

As embalagens vazias dos produtos fitofarmacêuticos não devem ser colocadas nos ecopontos, nem queimadas, deverão ser entregues nas lojas onde foram adquiridas.

Cuidados a ter na aplicação dos produtos fitofarmacêuticos uma vez que as condições do estado do tempo se alteraram com a chegada do outono

aplicador pf As condições do estado do tempo influenciam de forma importante a eficácia dos tratamentos fitossanitários, mas também a segurança do aplicador e do ambiente. Recomendamos que antes de qualquer aplicação de produtos fitofarmacêuticos, tenha em linha de conta:

• Velocidade do vento;

• Humidade;

• Temperatura;

• Precipitação.

 

previsoes meteorologicas (NOTA)

Velocidade do vento

O vento em excesso diminui a qualidade de repartição das gotas de pulverização e consequentemente a capacidade de absorção pelas plantas assim como perdas do produto fitofarmacêutico na aplicação por arrastamento.

Recomendação: deverá escolher horas do dia em que a velocidade do vento é, de um modo geral, mais reduzida, como já referido.

Humidade e temperatura

Temperaturas elevadas e humidade relativa baixa (< 60%) favorecem a perda de eficácia dos produtos por evaporação das gotas mais finas. Deste modo se a humidade do ar for elevada, as gotas de pulverização atingem mais facilmente o seu alvo. Evitando a evaporação e posterior deposição em outros locais.

Recomendação: a aplicação de produtos fitofarmacêuticos não deve ser efectuada nas horas mais quentes do dia, como já referido.

Precipitação

A ocorrência de precipitação significativa (> 10 mm, ou seja, 10 L/m2) após o tratamento é um dos principais factores de transferência dos produtos fitofarmacêuticos para a água (risco de lexiviação – movimento através do solo - e arrastamento superficial).

Esta transferência reduz a eficácia dos produtos e pode contribuir para a contaminação das águas.

Recomendação: é fundamental conhecer a previsão do estado do tempo (neste caso concreto, os níveis de precipitação) antes de efectuar a aplicação dos produtos fitofarmacêuticos.

Se a chuva obrigar a uma nova aplicação, esta multiplicará o risco de contaminação do meio ambiente e representa um custo suplementar.

Nunca é demais lembrar que temos de avaliar bem o local onde iremos fazer os tratamentos fitossanitários. Evite aplicar produtos fitofarmacêuticos demasiado próximo de cursos de água, estes são pontos sensíveis à contaminação da água com produtos fitofarmacêuticos. Sendo as zonas agrícolas áreas em que os cursos de água ocorrem em grande número deveremos proceder com cuidado para não contribuirmos para uma contaminação mais alargada do ambiente.

Não devemos esquecer que estes pontos de água podem ser uma fonte de água potável (para o Homem e animais) e ainda que a água é um recurso limitado essencial à vida.

Nunca esquecer o uso apropriado do vestuário de proteção, designado por EPI (Equipamento de Proteção Individual) de forma a evitar qualquer situação de risco para a saúde do aplicador.

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura /DSDA
Divisão de Assistência Técnica à Agricultura /DATA
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 
Telef.: 291 211 260

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar