1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal ao seu dispor!

apuramentos meteorologicos (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

Está prevista para a próxima semana a continuação de bom tempo, com dias de céu limpo em toda a costa sul. Os aguaceiros, a acontecer, serão muito esporádicos e apenas no norte da ilha, assim como alguma nebulosidade, pelo que a frequência das regas terá necessariamente de ser maior em toda a ilha.

Face a esta previsão, estão reunidas as condições para as diversas atividades necessárias na exploração agrícola, nomeadamente a monda de frutos, a eliminação de focos de pragas, a substituição periódica do atrativo nas garrafas mosqueiras, a recolha e destruição de frutos caídos no solo, práticas culturais estas que permitem diminuir as populações das principais pragas e evitar a aplicação sistemática de produtos fitofarmacêuticos.

TRATAMENTOS FITOSSANITÁRIOS

Na aquisição dos produtos fitofarmacêuticos, deve informar-se claramente das finalidades dos mesmos, assim como quais as culturas para o qual está homologado, ou seja, para as quais está autorizada a sua aplicação. Não esquecer, até porque é uma obrigação, de registar no caderno de campo as utilizações feitas.

De igual modo, respeite o Intervalo de Segurança (IS), isto é, o número de dias que decorre entre a aplicação e a colheita.

Sempre que possível, deverá alternar o uso dos produtos fitofarmacêuticos por outros com a mesma finalidade, por forma a não permitir o aparecimento de resistências.

As condições climáticas atuais são particularmente favoráveis ao aparecimento de pragas, pelo que deverá continuar atento às culturas, de modo a detetar precocemente quaisquer sinais ou sintomas de pragas ou doenças, como tem sido recomendado nas semanas anteriores.

- Frutícolas

Com as boas condições do estado do tempo na costa sul, irá verificar-se um aumento na atividade da mosca da fruta (Ceratitis capitata), daí recomendar-se a colocação de garrafas mosqueiras (armadilhas de captura massiva) em todos os pomares vulneráveis à mesma e proceder à substituição periódica (de 15 em 15 dias) do atrativo nas garrafas mosqueiras. Colocar, em média, uma armadilha, por cada três árvores.

- Citrinos

O rachamento dos frutos acontece com frequência quando as árvores são sujeitas a deficiência de água no solo (stress hídrico) no período de crescimento ativo dos frutos (primavera/verão). Com as primeiras chuvadas de fim de verão e outono, as células do interior do fruto aumentam de volume, enquanto as da epiderme não conseguem acompanhar esse aumento e o fruto racha. Como medida preventiva, deve regar as árvores durante o verão, com regularidade mas sem excessos. Não deixe chegar a água junto do colo da árvore, para evitar criar condições para a contaminação por fungos do género Phytophthora, que levam ao declínio e morte dos citrinos.

-Pomoideas e prunoideas

Deve prosseguir com os tratamentos preventivos e curativos contra o pedrado das macieiras e das pereiras e ainda a lepra dos pessegueiros. O risco de aparecimento de infeções secundárias mantém-se elevado, recomendando-se a proteção com um produto de contacto de ação preventiva, mas apenas nos pomares onde existam manchas de pedrado. No Modo de Produção Biológico podem ser utilizados fungicidas anti-pedrado à base de cobre e de enxofre.

Ainda se encontra a decorrer a 1.ª geração de bichado-da-fruta e dado que as condições são favoráveis ao desenvolvimento da praga, é necessário a renovação de tratamento. A fim de avaliar a intensidade de ataque no pomar, recomenda-se a realização da seguinte estimativa do risco: observação de 1000 frutos (20 frutos por árvore em 50 árvores), na bordadura e interior do pomar. Se contabilizar 5 a 10 frutos atacados, deve proteger o seu pomar com um produto de ação larvicida.

Face às elevadas temperaturas registadas, recomenda-se igualmente a prospeção nos pomares ao aranhiço vermelho. Observe 100 folhas do terço médio do ramo (2 folhas x 50 plantas) e, se registar 50 a 75% de folhas ocupadas com formas móveis deste ácaro, deve realizar um tratamento com um acaricida homologado.

 

previsoes meteorologicas (NOTA)

- Vinha

Nos últimos dias, as condições de temperatura elevada e baixa humidade na atmosfera têm sido adversas ao desenvolvimento do míldio. Contudo, os cachos continuam sensíveis a novos ataques até ao pintor, à mercê das condições meteorológicas. As folhas adultas, agora imunes, ficarão novamente suscetíveis aquando do atempamento das varas. De momento não existe qualquer risco, pelo que não é necessário fazer tratamentos. Apenas se se prever mudanças de tempo e queda de chuva até ao pintor será necessário tratar, dando preferência a um produto que contenha cobre.

No Modo de Produção Biológico podem ser utilizados fungicidas anti-míldio à base de cobre.

Por sua vez, os cachos podem ser atacados pelo oídio até ao pintor, pelo que se mantém a recomendação de vigilância apertada e ter a vinha protegida até este estado fenológico.

No Modo de Produção Biológico podem ser utilizados fungicidas anti-oídio à base de enxofre e de hidrogenocarbonato de potássio (Armicarb).

Não existe risco de ataque da podridão cinzenta dos cachos (Botrytis) até à alteração das condições meteorológicas. Nas vinhas em que economicamente se justificar, deve ser feito um tratamento específico até ao pintor.

No Modo de Produção Biológico, estão autorizados produtos à base de Aureobasidium pullulans (Botector), Bacillus subtilis (Serenade Max) e hidrogenocarbonato de potássio (Armicarb).

- Hortícolas

Os feijões, favas e ervilhas devem ser bem secos ao sol, de modo a poderem ser conservados. Estas leguminosas só devem ser colhidas quando a vagem estiver totalmente seca, de forma a garantir uma boa semente.

Para as hortofrutícolas mais comuns nesta época (morango, tomate, alface, pepino, abobrinha, feijão e milho, entre outros) há condições favoráveis ao aparecimento e proliferação de pragas como aranhiços, trips e afídios. Os agricultores deverão monitorizar com frequência o aparecimento destas pragas e, quando atingido o nível económico de ataque, realizar os tratamentos, utilizando os produtos fitofarmacêuticos menos tóxicos e respeitando as condições de utilização referidas no rótulo. Deverão ter sempre em atenção o respeito pelo intervalo de segurança, como já referido atrás.

Após desenterrada, a batata deve secar, mas não pode permanecer muito tempo ao sol até ser recolhida e nunca as cobrir com a rama das batateiras. Armazene imediatamente após a colheita, escolhendo um local fresco, arejado e escuro. Aplique Podrina (pó polvilhável com 0,1% de deltametrina – 750g/ton batata) de forma homogénea em cada camada de batata, utilizando um polvilhador de fole para que a corrente de ar gerada permita essa distribuição homogénea. Finalmente, coloque uma cobertura permeável sobre a batata tratada (papel ou cartão).

OPERAÇÕES CULTURAIS

Na sucessão das culturas hortícolas (rotação), uma técnica cultural muito utilizada na Região, é de todo conveniente alternar com uma leguminosa, para que haja um equilíbrio de azoto no solo, retardando ao máximo o esgotamento do solo neste nutriente.

Recomenda-se ainda a limpeza das matas e evitar acumulação de resíduos vegetais facilmente combustíveis (madeira e folhagem), a fim de se evitarem eventuais incêndios.

Não se esqueça e tire o máximo partido das matérias fertilizantes produzidas na sua exploração, particularmente estrumes, chorumes e outros, constituindo os adubos minerais apenas o complemento necessário ao défice de nutrientes eventualmente existente.

Lembre-se que através de atitudes sustentáveis melhora-se a economia da família, reduzindo os custos de produção e melhorando a qualidade dos produtos.

 

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura
Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telefone: 291 214 310

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar