1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal ao seu dispor!

apuramentos meteorologicos (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

Estão previstos para a próxima semana, dias de céu limpo em toda a costa sul, aguaceiros a acontecer serão de forma muito esporádica e apenas no norte da ilha. (registos de precipitação – P, na última semana, apenas no norte da ilha, ver quadro). Precisamente no norte, há que haver cuidados redobrados nas plantações de morangos, batatas e vinha e provavelmente fazer intervenções anti botrytis (podridões cinzenta), anti-míldio e anti-oídio. A sul a frequência das regas terá necessariamente que ser maior e de acordo com as necessidades das culturas.

A leitura dos valores da Evapotranspiração potencial (ETP) para a Região indicam uma necessidade em estar atento à frequência das regas, que terá que ser maior, como já referido.

Segundo estas previsões, teremos condições do estado do tempo boas a sul e razoáveis a norte, o que permite o desenvolvimento de atividades na exploração agrícola, nomeadamente práticas culturais (monda de frutos, eliminação de focos de pragas, substituição periódica do atrativo nas garrafas mosqueiras, recolha e destruição de frutos caídos no solo, etc…) que permitam diminuir as populações das principais pragas e evitar a aplicação sistemática de produtos fitofarmacêuticos.

TRATAMENTOS FITOSSANITÁRIOS

Na aquisição dos produtos fitofarmacêuticos deve informar-se claramente das finalidades dos mesmos, assim como, quais as culturas para o qual está homologado, ou seja, para as quais está autorizada a sua aplicação. Não esquecer, que é uma obrigação, registar no caderno de campo, as utilizações dos produtos fitofarmacêuticos.

Deveremos continuar com as observações às culturas por forma a detetar precocemente quaisquer sinais ou sintomas de pragas ou doenças, como tem sido recomendado.

- Frutícolas

Com as boas condições do estado do tempo na costa sul, irá verificar-se um aumento na atividade da mosca da fruta (Ceratitis capitata), daí recomendarmos, dum modo geral, para todos os pomares vulneráveis à mesma, a colocação de garrafas mosqueiras (armadilhas de captura massiva), e proceder à substituição periódica (15 em 15 dias) do atrativo nas garrafas mosqueiras como uma medida complementar e não de substituição aos produtos fitofarmacêuticos autorizados. Em média colocar uma armadilha, por cada três árvores.

Prosseguir com os tratamentos preventivos e curativos contra as seguintes doenças: pedrado das macieiras e das pereiras e ainda lepra dos pessegueiros.

No Modo de Produção Biológico podem ser utilizados fungicidas anti-pedrado à base de cobre e de enxofre.

Monitorizar as anoneiras na tentativa de detetar a presença da cochonilha algodão e caso se verifique a sua presença poderá aplicar o Imidan 50 WP (fosmete) numa concentração de 60g/hl.

Conveniente nesta altura do ano estar atento à atividade do percevejo do abacateiroPseudacysta perseae, para aos primeiros sinais da sua presença atuarmos de imediato com aplicação de Confidor O-TeQ (imidaclopride) numa concentração de 50ml/hl.

Neste momento, as condições climáticas e fenológicas do abacateiro são favoráveis ao ataque do aranhiço branco ou cristalino do abacateiro - Oligonychus perseae nas folhas, tendo-se já observado ataques consideráveis na costa sul. O ataque provoca a queda prematura das folhas, comprometendo a futura produção e expondo tanto os frutos como os ramos a queimaduras pelo sol.

Assim, recomenda-se pulverizar os mesmos, molhando toda a copa, preferencialmente as páginas inferiores das folhas, devendo utilizar-se para tal:

- Vertimec 018 EC
- Concentração: 150ml para 100l de água
- Máximo de aplicações: 2
- Épocas de tratamento:
  . 1.º tratamento - ao aparecimento dos primeiros sintomas
  . 2.º tratamento - três semanas depois.
- Intervalo de segurança (período que deverá decorrer obrigatoriamente entre a aplicação e a colheita): 14 dias

Observação: dever-se-á regar as plantas um dia antes da aplicação do produto.

- Citrinos

Traça do Limoeiro (Prays citri) - A cultura do limoeiro encontra-se, predominantemente, no estado de primeira flor/plena floração. Considerando o início do voo da praga, recomendamos a observação aos órgãos florais para determinar a presença deste inimigo. Para o efeito deverá realizar-se a observação de 300 botões florais, sendo o nível económico de ataque considerado, quando 5% destes órgãos estiverem atacados (com posturas ou perfurações). Para o combate deste inimigo recomenda-se a utilização de inseticidas homologados, como por exemplo:

- emamectina benzoato (SG AFFIRM), 150 g/hl, IS: 7 dias
- lambda-cialotrina CS (KARATE ZEON), 17,5 ml/hl , IS: 7 dias

A indicação destes produtos fitofarmacêuticos não dispensa a leitura atenta do rótulo do respectivo produto. Chama-se à atenção para o facto de se indicarem todos os produtos comerciais referentes à substância ativa em causa, no entanto, a confirmação da sua homologação para esta finalidade, deverá ser efetuada através da leitura do respetivo rótulo do produto.

Como medidas de combate à Psila Africana - Tryoza eritreae, (praga de quarentena), salienta-se a proibição da entrada no país de material de propagação de citrinos (plantas inteiras, porta-enxertos e garfos e borbulhas para enxertia), provenientes de países onde seja conhecida a existência. Também é proibida a produção, dentro do país, de material de propagação de citrinos nas zonas afetadas pela praga e sua comercialização. Devem-se cortar e queimar de imediato os ramos com sintomas da praga.

 

previsoes meteorologicas (NOTA)

Não adquirir nem plantar árvores com sintomas. Não enxertar com garfos ou borbulhas provenientes de árvores afetadas. As árvores afetadas devem ser sujeitas a monitorização durante o ano, para confirmação da eliminação ou não da praga e continuação da aplicação de medidas para o seu combate. Podem ser aplicados inseticidas. Estão homologados em Portugal quatro inseticidas de uso profissional, neonicotinoides, à base de acetamiprida (EPIK SG), imidaclopride (CONFIDOR O-TEQ e NUPRIDE 200 SL) e tiametoxame (ACTARA 25 WG), e um de uso não profissional, à base de acetamiprida (POLYSECT ULTRA PRONTO). A aplicação de todos eles deve coincidir com os períodos de rebentação, apenas nas árvores afetadas e nas da sua vizinhança. Os tratamentos à base de óleo de verão, normalmente aplicados contra cochonilhas, tendo o cuidado de atingir completamente toda a copa da árvore, também têm eficácia contra a psila africana.

Mineira dos citrinos (Phyllocnistis citrella) Considerando o período de rebentação que se verifica no momento (plantas jovens, reenxertadas ou recentemente podadas), continuamos a recomendar a realização de uma observação atenta aos pomares para detetar a presença, em jovens rebentos com 3 a 4 cm de comprimento, se começarem a ser visíveis os primeiros sinais de atividade desta praga, caracterizados pela presença de ovos e larvas nos órgãos vegetativos desta cultura (pequenas folhas e raminhos).

Quando for atingido o nível económico de ataque (10 – 15% de rebentos com jovens larvas), aconselhamos a realização de tratamento fitossanitário com um dos inseticidas homologados:

- imidaclopride, CONFIDOR O-TEQ – 75 ml/hl.

Deve adicionar-se Foli-Óleo na concentração de 500ml/hl. No caso de a praga estar associada à mosca branca, a concentração do óleo deve ser de 1000ml/hl.

- Vinha

As vinhas devem manter-se protegidas preventivamente contra o oídio até ao fecho do cacho, respeitando cuidadosamente o período de persistência de ação dos fungicidas utilizados. Nas vinhas em que surjam sintomas ou com historial da doença, a proteção deve ser mantida até ao Pintor. Nos casos de ataques intensos da doença os tratamentos deverão ser efectuados com enxofre ou meptildinocape.

Apenas se recomenda a renovação do tratamento contra o míldio nas vinhas que ainda não atingiram o “fecho do cacho” (cacho compacto) ou naquelas em que os sintomas da doença têm persistido, devido à sucessão de infeções secundárias.

Relembramos a importância da correta orientação da vegetação, no sentido de favorecer o arejamento na zona dos cachos e a boa penetração do tratamento fungicida.

No Modo de Produção Biológico podem ser utilizados fungicidas anti-míldio à base de cobre e anti-oídio à base de enxofre e de hidrogenocarbonato de potássio (ARMICARB).

- Hortícolas

Para as hortofrutícolas mais comuns nesta época (morango, tomate, alface, pepino, abobrinha, feijão, milho, etc…) há condições favoráveis ao aparecimento e proliferação de pragas como aranhiços, tripes e afídios. Os agricultores deverão monitorizar com frequência o aparecimento destas pragas e quando atingido o nível económico de ataque realizar os tratamentos, utilizando os produtos fitofarmacêuticos menos tóxicos e respeitando as condições de utilização referidas no rótulo. Deverão ter sempre em atenção o respeito pelo intervalo de segurança.

Alertamos os produtores de morango, que devem iniciar o controlo da praga Drosophila suzukii – “mosca da asa manchada” através de colocação de armadilhas de modo a detetar a praga e se possível efetuar a sua captura em massa.

Deverá também adotar um conjunto de medidas culturais de modo a diminuir a incidência da praga e como última solução o recurso ao tratamento químico, existe para tal uma autorização de uso menor, (KARATE ZEON. Mais informação no DICA em Alerta aos Produtores de Morango.

A rega dos morangueiros deve ser abundante e acompanhada de adubação de cobertura de produção, reforçando a dotação do nutriente potássio.

OPERAÇÕES CULTURAIS

Na sucessão das culturas hortícolas (rotação), técnica muito utilizada na Região, é de todo conveniente alternar com uma leguminosa, para que haja um equilíbrio de azoto no solo, retardando ao máximo o esgotamento do solo neste nutriente.

Recomenda-se a limpeza das matas e evitar acumulação de resíduos vegetais facilmente combustíveis (madeira e folhagem), a fim de se evitarem eventuais incêndios.

Não se esqueça e tire o máximo partido das matérias fertilizantes produzidas na sua exploração, particularmente estrumes, chorumes e outros, constituindo os adubos minerais apenas o complemento necessário ao défice de nutrientes eventualmente existente.

Através de atitudes sustentáveis melhora-se a economia da família, reduzindo os custos de produção e melhorando a qualidade dos produtos.

Sabedoria popular:

- A abelha perto do monte, com fonte e casa abrigada, produz mel e cera dobrada.

- Em Julho ceifo o trigo e o debulho e com vento soprando o vou limpando.

 

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telef.: 291 214 310

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar