1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal ao seu dispor!

apuramentos meteorologicos (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

Estão previstos para a próxima semana, dias de céu limpo em toda a costa sul, aguaceiros a acontecer serão de forma muito esporádica. No próximo fim-de-semana está previsto precipitação em Santana, o que obrigará a cuidados redobrados nas plantações de morangos, batatas e vinha, provavelmente com intervenções anti-botrytis (podridões cinzenta), anti-míldio e anti-oídio. A frequência das regas terá necessariamente que ser maior e de acordo com as necessidades das culturas.

Os valores registados da precipitação (P) na última semana foram praticamente nulos, a leitura dos valores da Evapotranspiração potencial (ETP) para a região indicam uma necessidade em estar atento à frequência das regas, que terá que ser maior.

Segundo estas previsões, teremos condições do estado do tempo boas para serem desenvolvidas atividades na exploração agrícola, nomeadamente, práticas culturais (monda de frutos, eliminação de focos de pragas, substituição periódica do atrativo nas garrafas mosqueiras, recolha e destruição de frutos caídos no solo, etc…) que permitam diminuir as populações das principais pragas e evitar a aplicação sistemática de produtos fitofarmacêuticos.

TRATAMENTOS FITOSSANITÁRIOS

Na aquisição dos produtos fitofarmacêuticos deve informar-se claramente das finalidades dos mesmos, assim como, quais as culturas para o qual está homologado, ou seja, para as quais está autorizada a sua aplicação. Não esquecer, que é uma obrigação, registar no caderno de campo, as utilizações dos produtos fitofarmacêuticos.

Esta semana deveremos continuar com as observações às culturas por forma a detetar precocemente quaisquer sinais ou sintomas de pragas ou doenças, como recomendado na semana anterior.

- Frutícolas

Continue atento ao seu souto (plantação de castanheiros) e se observar sintomas/sinais (bugalhos/galhas) da vespa das galhas do castanheiro, deverá fazer a desgalha nas árvores jovens até 3 a 4 metros de altura, poda sanitária nas árvores adultas e depois destruir os ramos afetados pelo fogo ou enterrando-os. Deverá também comunicar aos Serviços Regionais de Agricultura. NÃO DEIXE QUE ESTA PRAGA SE INSTALE NOS SEUS CASTANHEIROS E DESTRUA A PRODUÇÃO!

Com as melhorias previsíveis das condições do estado do tempo, irá verificar-se um aumento na atividade da mosca da fruta (Ceratitis capitata), daí recomendarmos, dum modo geral, para todos os pomares vulneráveis à mesma, a colocação de garrafas mosqueiras (armadilhas de captura massiva), e proceder à substituição periódica (15 em 15 dias) do atrativo nas garrafas mosqueiras como uma medida complementar e não de substituição aos produtos fitofarmacêuticos autorizados. Em média colocar uma armadilha, por cada três árvores.

Nos pomares cerejeiras e ginjeiras e ainda nos pequenos frutos (mirtilos, framboesas, amoras e groselhas) onde se têm registado ataques nos frutos, causados pela mosca de asa manchada (Drosophila suzukii), devemos utilizar inseticidas autorizados EPICK SG; KARATE ZEON e DELEGATE 250 WG com rigoroso respeito das doses e dos intervalos de segurança recomendados.

Observação: Estamos já na época de colheita ter em atenção que estes dois produtos fitofarmacêuticos têm um Intervalo de segurança de 14 e 7 dias e têm de respeitar os intervalos de segurança.

Prosseguir com os tratamentos preventivos e curativos contra as seguintes doenças: pedrado das macieiras e das pereiras e ainda lepra dos pessegueiros.

No Modo de Produção Biológico podem ser utilizados fungicidas anti-pedrado à base de cobre e de enxofre. Nesta altura, pode ser usado o enxofre nas macieiras Golden delicious e derivadas e o cobre nas restantes, uma vez que o cobre tem efeitos fitotóxicos no grupo das Golden.

Monitorizar as anoneiras na tentativa de detetar a presença da cochonilha algodão e caso se verifique a sua presença poderá aplicar o Imidan 50 WP (fosmete) numa concentração de 60g/hl.

Conveniente nesta altura do ano estar atento à atividade do percevejo do abacateiro, para aos primeiros sinais da sua presença atuarmos de imediato com aplicação de Confidor O-TeQ (imidaclopride) numa concentração de 50ml/hl.

 

previsoes meteorologicas (NOTA)

- Vinha

As vinhas devem manter-se protegidas preventivamente contra o oídio até ao fecho do cacho, respeitando cuidadosamente o período de persistência de ação dos fungicidas utilizados. Nas vinhas em que surjam sintomas ou com historial da doença, a proteção deve ser mantida até ao Pintor. Nos casos de ataques intensos da doença os tratamentos deverão ser efectuados com enxofre ou meptildinocape.

Apenas se recomenda a renovação do tratamento contra o míldio nas vinhas que ainda não atingiram o “fecho do cacho” (cacho compacto) ou naquelas em que os sintomas da doença têm persistido, devido à sucessão de infecções secundárias.
Relembramos a importância da correcta orientação da vegetação, no sentido de favorecer o arejamento na zona dos cachos e a boa penetração do tratamento fungicida.

No Modo de Produção Biológico podem ser utilizados fungicidas anti-míldio à base de cobre e anti-oídio à base de enxofre e de hidrogenocarbonato de potássio (ARMICARB).

- Hortícolas

Para as hortofrutícolas mais comuns nesta época (morango, tomate, alface, pepino, abobrinha, feijão, milho, etc…) há condições favoráveis ao aparecimento e proliferação de pragas como aranhiços, tripes e afídios. Os agricultores deverão monitorizar com frequência o aparecimento destas pragas e quando atingido o nível económico de ataque realizar os tratamentos, utilizando os produtos fitofarmacêuticos menos tóxicos e respeitando as condições de utilização referidas no rótulo. Deverão ter sempre em atenção o respeito pelo intervalo de segurança.

Mantem-se a situação de elevado risco de desenvolvimento do míldio nos batatais. A severidade dos ataques será maior nas batateiras que ainda se encontram em crescimento. Contudo, em condições favoráveis como as que se têm registado, o míldio pode atacar as batateiras até à proximidade do arranque. No combate ao míldio da batateira em Modo de Produção Biológico, apenas podem ser utilizados fungicidas à base de cobre.

Devem ser tomadas algumas MEDIDAS PREVENTIVAS, de forma a dificultar ou impedir o ataque de traça aos tubérculos (Pthorimaea operculella) no campo.

- Manter o terreno e as imediações livres de restos de cultura e de ervas infestantes.
- Proceder à amontoa o mais cedo possível, chegando a terra para junto do pé das plantas, de modo a impedir as larvas de entrarem através de fendas no solo e as borboletas de porem os ovos nas batatas a descoberto.
- Mesmo com uma amontoa bem realizada, a terra pode abrir fendas. Nesse caso, uma rega, mantendo a terra húmida e as batatas cobertas, dificulta a postura dos ovos e a progressão das larvas.
- Não manter os tubérculos na terra por tempo desnecessário. Logo que as batatas estejam prontas, devem ser colhidas.
- As batatas colhidas devem ser de imediato retiradas do campo e armazenadas - nunca deixar as batatas no campo de um dia para o outro e nunca as cobrir com a rama das batateiras.
- Armazene imediatamente após a colheita, escolha um local fresco, arejado e escuro.
- Aplique PODRINA (pó polvilhável com 0,1% de deltametrina – 750g/ton batata) de forma homogénea em cada camada de batata, utilizando um polvilhador de fole para que a corrente de ar gerada permita essa distribuição homogénea. Finalmente coloque uma cobertura permeável sobre a batata tratada (papel ou cartão).

 A rega dos morangueiros deve ser abundante e acompanhada de adubação de cobertura de produção, reforçando a dotação do nutriente potássio.

OPERAÇÕES CULTURAIS

Na sucessão das culturas hortícolas (rotação), técnica muito utilizada na Região, é de todo conveniente alternar com uma leguminosa, para que haja um equilíbrio de azoto no solo, retardando ao máximo o esgotamento do solo neste nutriente.

Recomenda-se a limpeza das matas e evitar acumulação de resíduos vegetais facilmente combustíveis (madeira e folhagem), a fim de se evitarem eventuais incêndios.

 

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento deverá contactar o seguinte serviço da Direção Regional de Agricultura:

Direção de Serviços de Desenvolvimento da Agricultura
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telef.: 291 214 310

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar