1 1 1 1 1

Meteorologia agrícola
A informação técnica semanal ao seu dispor!

apuramentos meteorologicos (LEGENDA)

CLIMATOLOGIA

Na semana anterior registou-se a melhoria das condições do estado do tempo em toda a região, pelo que, e face aos valores da precipitação e da evapotranspiração, verifica-se facilmente a necessidade de manter as regas. As previsões para a próxima semana apontam para condições do estado do tempo idênticas. Há, então, condições climatéricas razoáveis para a mobilização do solo, assim como para outras atividades na exploração agrícola, nomeadamente as mondas, podas e enxertias.

TRATAMENTOS FITOSSANITÁRIOS

- Hortícolas:

Sempre que o estado do tempo permitir, e tem sido o caso, deverá aproveitar para manter os tratamentos preventivos contra os fungos que proliferam com estas condições do estado do tempo, em particular, o míldio na batateira, respeitando sempre o número de tratamentos a efetuar relativos a cada cultura.

- Frutícolas:

Há que manter os pomares de citrinos (variedades tardias, com colheita em março) protegidos contra o míldio, aplicando um produto fitofarmacêutico adequado, com repetições de 3 a 4 semanas (ver rótulo), como tem vindo a ser recomendado nas últimas semanas.

- Vinha:

Dever-se-á proceder ao controlo de infestantes anuais, consultando sempre a ficha técnica dos vários produtos fitofarmacêuticos existentes no mercado, de forma a escolher o mais adequado para a sua situação.

OPERAÇÕES CULTURAIS

- Sementeira:

Pode efetuar a sementeira de algumas hortícolas (por exemplo, alface, couve, beterraba, alhos e nabo) em alfobres, quer protegidos quer ao ar livre.

- Plantação:

Pode também continuar com os procedimentos de preparação das culturas de Primavera/Verão, nomeadamente as batatas, iniciando a sua plantação nas zonas de cotas mais baixas.

Esta é a época para plantar as árvores de raiz nua (macieira, pereira, cerejeira, ginjeira, ameixeira, etc), que poderá estender-se até março. No entanto, quanto mais cedo melhor. Lembre-se que a cava do terreno, bem como a sua prévia melhoria em termos de estrutura (com a incorporação de estrumes), correção e enriquecimento de fósforo e potássio (caso a análise o recomende) e a escolha das espécies/variedades mais comerciais são os fatores principais de sucesso.

- Poda:

A poda é recomendável nesta altura do ano e sempre que o estado do tempo permitir, nas prunóideas (principalmente pessegueiro, cerejeira e ameixeira), evitando grandes cortes. Nas zonas mais baixas da costa sul (zonas mais quentes), onde já se terminou a apanha da anona à cerca de um mês, pode efetuar a poda das mesmas (limpeza de ramos mal inseridos e desposta até 2/3 nos ramos novos e produtivos).
No próximo mês, poderá também dar início à poda da vinha. 

A poda deve ser efetuada o mais próximo possível da rebentação. Diz a sabedoria popular que deve ser feita pelo "quarto minguante", quando a circulação da seiva se encontra menos ativa, reduzindo a quantidade de seiva que se perde pelos golpes de corte.

A poda não deve ser feita nem demasiado cedo, nem demasiado tarde, para não influenciar a época certa do início da rebentação.

 

previsoes meteorologicas (NOTA)

A poda serve para renovar e estimular o novo ciclo de produção, libertando as plantas de varas/ramos mal inseridos ou com rebentos antigos, permitindo-lhe um novo vigor. Para cada espécie, e mesmo para cada variedade, o objetivo é o mesmo, mas as intervenções (tipo de poda) pode variar de modo significativo.

Por exemplo, a poda na vinha pode ser curta, dois a três "olhos", ou longa, de quatro a dez, dependendo do clima e da variedade, vigor e idade da videira.

A poda que é feita decide o equilíbrio da videira. O número de “olhos” irá corresponder ao número de varas que se irão desenvolver (ou "rebentar"). Se forem em excesso, a vitalidade fica dispersa e a produção comprometida, com um maior número de cachos mas com bagos miúdos, sem qualidade. No caso contrário, poucos olhos de rebentação irão estimular o desenvolvimento de rebentos não produtivos, dispersos pelo tronco principal, os chamados "ladrões".

Logo, sempre que não possui conhecimentos suficientes nesta matéria, deverá recorrer a aconselhamento técnico no IVBAM (vinha) e na Direção Regional de Agricultura (fruteiras). Informa-se ainda que a Direção Regional de Agricultura possui brigadas de poda (Divisão de Fruticultura - Quebradas - São Martinho; contacto: 291 764 502) que, mediante marcação prévia, poderão efetuar esta operação no seu pomar.

- Enxertia/Reenxertia:

Esta é também a época própria para realizar a enxertia de fruteiras de caroço (cerejeira, pessegueiro, ameixeira e damasco), pelo que deverá programar perante os serviços oficiais (Divisão de Fruticultura) ou perante o enxertador particular, para que sejam efetuadas de imediato. Segundo a sabedoria popular, recomenda-se que seja realizada no quarto crescente da lua.

A enxertia é um método de obtenção de novas plantas pelo processo assexuado de multiplicação vegetativa (clones vegetais), com a intervenção humana. É a união dos tecidos de plantas, passando a formar uma planta única, com duas partes: o enxerto (garfo) – variedade que queremos obter e o porta-enxerto (cavalo) – adaptado às condições de solo e que vai induzir maior ou menor vigor à variedade.

Essa técnica possui inúmeras vantagens como, por exemplo, diminuir o período juvenil das plantas, fazendo com que entre em produção mais rápido, a formação de plantas de menor porte e a garantia genética do material.

Mas para que a enxertia tenha sucesso, é necessário cumprir alguns requisitos:

- Saber qual o tipo de enxertia (borbulha, fenda cheia, encosto lateral, etc) que mais se adequa e que é mais eficaz para a espécie em causa;
- Afinidade entre as plantas envolvidas, sendo necessário haver certo grau de parentesco na sua genética para evitar a manifestação de incompatibilidade ou rejeição;
- As superfícies que irão entrar em contato uma com a outra devem estar limpas e lisas, para que a união seja feita correta e uniformemente, permitindo a circulação da seiva entre as plantas, logo, a “soldadura”.

Sabe que caso tenha uma planta com bom estado sanitário, mas que não produz fruta de qualidade, pode sempre recorrer à reenxertia e mudar essa variedade? Trata-se de fazer uma enxertia sobre uma planta já enxertada.

- Monda:

Pode aproveitar as boas condições do estado do tempo para efetuar as mondas nas culturas recentemente plantadas, nomeadamente no seu cebolal.

- Jardim:

Quem não podou as roseiras, ainda vai a tempo de o fazer, bem como de outros arbustos e árvores de jardim que não estejam em flor, como tem sido dito ao longo das últimas semanas.
Continuar com a instalação de viveiros de estacaria de roseiras, de aromáticas e de outros arbustos e árvores de jardim.

Para mais informação relativamente à prevenção e/ou tratamento deverá contactar os seguintes serviços da Direção Regional de Agricultura:

- No âmbito da produção convencional (proteção integrada):

Direção de Serviços de Desenvolvimento Rural
Divisão de Apoio ao Agricultor
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telef.: 291 214 310

Direção de Serviços de Assistência Técnica e Mecanização Agrícola
Divisão de Assistência Técnica e Mecanização Agrícola
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telef.: 291 211 260

- No âmbito da produção biológica:

Direção de Serviços de Desenvolvimento de Agricultura e Pecuária Biológica
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telef.: 291 744 190

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar