1 1 1 1 1 Pontuação 5.00 (1 Votos)

Grupo Folclórico Juvenil da Camacha
O carro de bois

juv da camacha1Este meio de transporte surgiu durante o século XIX e teve possivelmente a influência dos carros de bois do noroeste de Portugal e das corsas utilizadas na Madeira desde os tempos da colonização.

Consistia de uma corsa feita de madeira de castanho, vinhático ou til, com patins metálicos. As partes laterais e as costas dos assentos eram também de madeira ou feitos em vime. Sobre os dois assentos, instalados frente a frente, erguia-se uma estrutura coberta, com cortinas laterais de algodão que geralmente se mantinham abertas.

Era puxado por bois e conduzido por dois elementos do sexo masculino. Ao boieiro competia orientar a direção dos animais e ao candeeiro levar a iluminação, quando necessária, afastar as moscas dos animais e colocar um pano seboso debaixo do carro para facilitar o deslizamento.

Isabella de França (1853-54, p. 52) comparou-o aos baloiços usados em feiras inglesas: " É um veículo muito semelhante aos baloiços usados nas feiras de Inglaterra, montado sobre um trenó, com almofadas e cortinas, e tirado por dois destes bonitos bois pequeninos da terra, de pêlo castanho escuro (....).

Além do boieiro, cada carro é acompanhado por um rapaz que corre adiante dos bois, com um trapo que ele molha em cada levada ou poço que lobriga e atira para debaixo do trenó a fim de o fazer deslizar melhor." Segundo esta inglesa que viveu na Madeira durante um ano e que registou as suas impressões num diário de viagem, a conversão da corsa para transporte de passageiros ter-se-ia dado devido ao Major Bulkeley, provavelmente em 1848/49.

No entanto, já em 1836 no diário de viagem do americano Edward W. Wells existe a referência à corsa como meio de transporte de passageiros e foi desenhado em 1836 pelo inglês Eduard V. Hartcourt. Assim, e segundo alguns autores, o papel do Major Bulkeley teria sido a adaptação de assentos, toldo e almofadas a essa mesma corsa.

 

Durante o primeiro quartel do século XX, este foi o meio de transporte coletivo mais utilizado em toda a ilha e para os mais variados fins: deslocação à missa, visitas de cortesia, ida às compras, viagens entre freguesias, sempre que a orografia da ilha permitisse.

Em estradas com inclinação superior a dez por cento, o pavimento foi adaptado com degraus abaulados, "calçada pé-de-boi, devido à distância de um a outro degrau ser igual à das passadas daquele animal" (Pereira, 1989, p.14).

Com a construção de novas estradas e o desenvolvimento de outros meios de transporte, o carro de bois foi transformado em atrativo turístico, mantendo-se a circular apenas em algumas ruas do centro do Funchal, até ao início dos anos oitenta do século XX.

juv da camacha trab

 

Gilda Nóbrega

 

Referências bibliográficas:
França I (1853-54) Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal. Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal. Funchal.
Pereira. E.C.N. (1989). Ilhas de Zarco. 4.ª edição. Volume II. Gráfica Maiadouro, Maia.

Bibliografia:
Sumarés J, Simões AV, Silva I (2002) Transportes na Madeira. Direção Regional dos Assuntos Culturais (DRAC), Funchal.

Tem alguma questão? Coloque-a aqui:

Código de segurança
Atualizar