1 1 1 1 1

semanabiologica11É um princípio geral da agricultura biológica que cada organismo vivo deve ser tido em alta consideração: desde o mais pequeno microrganismo do solo até à maior árvore crescendo acima dele. Por esta razão, cada elo na cadeia de abastecimento de alimentos de agricultura biológica está relacionado com a manutenção, e sempre que possível aumento, da diversidade de plantas e animais.

A Agricultura Biológica perpetua a diversidade das sementes e das variedades locais com grande valor nutritivo e cultural e fomenta a biodiversidade global dos ecossistemas agrícolas.

A atual conjuntura impõe-nos a adoção de uma agricultura mais sustentável, tendo por base a lógica das interações biológicas. A promoção de práticas agrícolas que beneficiam da biodiversidade e minimizam o uso de produtos de síntese é meta a atingir. Na Madeira temos a biodiversidade, há-que saber rentabilizá-la de forma mais lógica e sustentável.

A Madeira é reconhecida internacionalmente como notável centro de biodiversidade, faz parte do hotspot de biodiversidade mediterrânico e integra a região biogeográfica denominada Macaronésia. Embora tenha apenas cerca de 828 km2 de superfície (1% de Portugal), alberga uma riqueza natural com mais de 7500 espécies, das quais 1419 (19%) são endémicas. Este património teve origem no Terciário e resulta da evolução de seres vivos maioritariamente originários da região do Mediterrâneo e da costa ocidental de África. Nesta biodiversidade, o filo animal é o mais diverso (58%), seguindo-se as plantas e os fungos (perfazendo os restantes 42%). Dos ecossistemas, destaca-se a floresta laurissilva, como recurso valioso em termos científicos, genéticos e de importância socioeconómica, quer no regime hidrológico, quer na valorização paisagística da ilha da Madeira.

semanabiologica9A floresta laurissilva da Madeira é Património Mundial Natural sob a égide da UNESCO, desde 1999, pela riqueza, importância e especificidade que apresenta, por conter espécies únicas à escala planetária, constituindo processos ecológicos e biológicos evolutivos de grande valor universal do ponto de vista da ciência e da conservação e conter ecossistemas representativos e importantes para a conservação da biodiversidade. É uma floresta pluri-estratificada que cobre cerca de 20% da ilha, ou seja aproximadamente 15.000 hectares e está localizada predominantemente no norte, mas ainda se encontram áreas interessantes no sul.
Na Laurissilva, os briófitos, pteridófitos, plantas fanerogâmicas, moluscos terrestres, aracnídeos, insetos e aves, estão bem documentados. Não obstante toda a investigação desenvolvida e o conhecimento atingido, muito ainda continua por investigar.

De modo a se incrementar uma agricultura mais sustentável na Madeira, urge promover investigação nas seguintes áreas:

- Microbiologia do solo. Com vista a se identificar microrganismos benéficos e desenvolver metodologias para o uso desses microrganismos em sistemas agrícolas. Para além disso, poder-se-á transferir conhecimento da investigação para o setor comercial por forma a surgirem novos biofertilizantes.
- Biodiversidade funcional. Com vista a se efetuar o controlo natural de pragas, tendo por base a identificação de animais auxiliares (entomófagos e entomopatogénicos) e a descoberta de plantas madeirenses que possam promover o desenvolvimento de auxiliares. O conhecimento da investigação poderá ser transferido para o setor empresarial e sistemas agrícolas para se controlar pragas sem o recurso a produtos químicos.

A biodiversidade e a ciência são bases fundamentais para se reduzir e até mesmo substituir o uso de produtos químicos no controlo de pragas e aumentar a fertilidade dos agrossistemas.

Sermos capazes de desenvolver uma agricultura sustentável e conservar a natureza, numa lógica de preservamos a vida e melhoramos a saúde humana é o nosso desafio.

Susana Fontinha

Comentar

Código de segurança
Atualizar