1 1 1 1 1 Pontuação 5.00 (1 Votos)

A produção de codornizes

Codornizes 2 A codorniz é uma ave de pequeno porte pertencente ao grupo das galináceas, género Coturnix. Das sub-espécies existentes, a codorniz doméstica (Coturnix coturnix japonica) foi domesticada no Japão e introduzida nos EUA na década de 50, chegando à Europa um pouco mais tarde.

Do ponto de vista zootécnico, esta espécie apresenta vantagens consideráveis em relação a outras galináceas, atendendo ao seu rápido crescimento, à sua grande resistência a enfermidades e à precocidade da sua postura. O desenvolvimento embrionário ronda os 16 dias e os indivíduos atingem a idade adulta a partir das 5 semanas. Em condições especiais de postura, isto é, criando por jaula um macho com duas ou três fêmeas, a percentagem de ovos fecundos é de aproximadamente 80%, o que equivale a cerca de 300 ovos por poedeira/ ano.

Como caracteres que distinguem o sexo, o macho tem o peito e mento escuros e sem manchas, enquanto que nas fêmeas são claros e manchados. O macho apresenta, igualmente, na região da cloaca, uma excrescência rosada e desprovida de penas enquanto que, na fêmea, a cloaca está situada transversalmente. O peso médio dos adultos às 5 semanas é de cerca de 100 gr nos machos e de 120 gr nas fêmeas. Em termos comportamentais, estas são bastante dóceis e os machos muito agressivos.

O éxito de uma exploração de codornizes depende, entre outros fatores, da qualidade dos reprodutores iniciais que devem ser adquiridos a um selecionador especializado em produção de estirpes de elevado rendimento.

Esta espécie é muito sensível à consanguinidade, resultante do acasalamento entre indivíduos parentes entre si. Como consequência, poderá ocorrer uma diminuição da produção de ovos, um aumento da mortalidade embrionária e uma diminuição da percentagem de eclosões.

 

Os acasalamentos poderão efetuar-se de diversas formas, apresentando cada uma delas as suas vantagens e inconvenientes:

Indivíduos isolados: cada fêmea e cada macho possui a sua própria jaula e os machos são introduzidos diariamente nas jaulas das fêmeas, durante 15 a 30 minutos, para acasalarem. Neste método o macho não magoa a fêmea, mas exige muito trabalho quando se trata de efetivos numerosos; indivíduos em pequenos grupos: mantêm-se numa mesma jaula um núcleo de um macho e de duas ou três fêmeas. Este método permite saber facilmente quais os machos reprodutores e exige pouco trabalho; indivíduos em grandes grupos: formam-se grupos de 10 machos e 30 fêmeas numa jaula grande, o que impossibilita a identificação dos machos e exige pouca mão-de-obra.

Os machos são capazes de acasalar desde a 7.ª semana de vida e exercem uma atividade sexual muito intensa até aos seis meses. A partir desta idade as suas capacidades reprodutivas vão decrescendo gradualmente. No que diz respeito às fêmeas, estas iniciam a postura às 6 ou 7 semanas de vida e para uma parelha da mesma idade, os primeiros ovos fecundos surgem no 2.º mês. Para além de ser um animal precoce, a codorniz é muito prolífera, chegando a pôr quase um ovo por dia. Este ritmo de postura pode durar um ano ou mais, apesar de verificar-se um decréscimo da produtividade após os 6 meses de idade.

Por forma a rentabilizar a sua produção, torna-se indispensável garantir no interior das instalações as condições ideais em termos de temperatura (18-20 ºC), ventilação e humidade. Um ambiente tranquilo e limpo é igualmente importante.

O regime alimentar deverá ter em conta as necessidades nutritivas para as várias fases de produção. No caso do pinto da codorniz, a dieta deverá cobrir as necessidades de crescimento e de manutenção, enquanto que na fase de engorda deverá cobrir o aumento suplementar de peso e a manutenção. Em relação aos reprodutores, deverão ser cobertas as necessidades de reprodução e de postura, bem como as de manutenção. Para cada uma destas fases, existem vários tipos de alimentos compostos no mercado. Os pintos devem jejuar durante as primeiras 24 horas de vida passando a consumir um concentrado específico, rico em proteínas, até as 3 semanas. A transição da alimentação de pinto para a de engorda, deve ser feita de um modo gradual. A fase de engorda dura trinta dias, atingindo as codornizes um peso vivo de cerca de 120 grs.

 

Pedro Fontes Sampaio
Direção Regional de Agricultura

Comentar

Código de segurança
Atualizar